2012-11-11

Dwarf Fortress: Ano VI: Quando os dias têm 28 horas

Quando é que os dias têm 28 horas?
Fácil, quando o caminho que vai ter à sala comum da fortaleza tem este aspecto:


Tábuas ricas continua com consumos de Álcool brutais. Para terem ideia, consomem-se 4 vezes mais bebidas do que comida se falarmos em barris (Um barril de comida leva cerca de 2kg de carne ou 10L de bebida.). Temos 1500L de vinho, 2500L de cerveja (ambas estas bebidas feitas com as nossas culturas), mas este ano troquei cerca de 500L de rum com os mercadores (lembram-se de flauta fortificada? Bem para além de bons lutadores têm bebidas que nós não produzimos).

Tudo isto contribui para o sucesso do nosso forte. Os nossos soldados sempre "inspirados", e os nossos artesãos com muita, muita criatividade. É um dos pupilos do carpinteiro Arabian Tanoltar que faz esta beleza:


Uma cama feita de uma rocha parecida com quartzo, em tom verde. A descrição é para além de épica:
"Encrustada com detalhes de granito envolvidos com gemas em forma de lágrima. Possui acabamentos com couro de corvo (?!). Este objecto está enfeitado com ouro. Este objecto possui um baixo relevo de "Blownlances", o armário de diorite, rodeado de dois pássaros gigantes." Até vem uma lágrima no canto do olho de tanto orgulho destes dwarfs.

Perto do fim do verão encontramos uma parede fervilhantes. Magma do outro lado! Escavámos 160 níveis abaixo do solo e finalmente vestígios de magma. Suspeito que do outro lado haja mesmo magma, o meu medo é que esteja pressurizado, e qualquer brecha inicie uma autêntica erupção em que o magma usa os nossos tuneis e escadas para chegar à superfície.



Estou no meio de um plano maléfico para obter magma sem criar uma erupção, e começo a ter avisos de anões a morrer. Ao ver com mais detalhe, encontro o "problema". Na superfície, um grupo de 8 trolls anda a dar cabo dos nossos caçadores e pescadores. Ordeno que todos os anões civis fiquei restritos ao "bunker" - aka, o armazém de comida e bebida. 


Já conhecem o setup defensivo. Torre com balista (que mais uma vez, falhou), Túnel que termina nas armadilhas de lâminas e pedras a cair, e por fim os nossos dwarfs. Notem os nomes ridículos dos trolls : Dostngosp, Ngebzo, Nguslu. Como é que alguém com nomes como esses espera dominar a fúria dos nossos anões?

A batalha é curta mas brutal. Resultado, 6 trolls mortos, 1 dos novatos com um ferida no abdomen (que provavelmente significa que vai perder o rim) e o nosso líder da patrulha, Led, a matar 3 trolls por ele próprio sem receber uma ferida. O resto do ano corre bem até ao fim do inverno, quando aparece um aviso de cerco goblin. "Mais meia dúzia penso eu, até que..."


82 goblins e suas montadas. 82! Quase metade da minha população, 16 vezes a minha força militar... Com o ano quase a acabar, não quis ver ainda o resultado da luta. Tenho uns quantos machados e espadas postos de lado para uma emergência, e isto parece ser isso. Irei recrutar civis para a milícia, e rezar pelo melhor.

Não percam o próximo, e provável último resumo de tábuas ricas.

4 comments:

Pedro Francisco said...

Último? Já?? :(

P.S.: E o vampiro?

Hal said...

http://i.imgur.com/AmEe5.gif

Chega de notícias deprimentes, vamos mazé fazer mais uma festa da espuma!

Metam a música bem alta, pode ser que os invasores queiram vir dançar e depois é só embebedá-los e cortar-lhes o pescoço!

Peres said...

É só o último se não sobrevivermos Pedro. Não consegues fazer aí um artefacto de osso de corvo ou um brinco de menisco de hipopótamo cheio de vodoo que mate aqueles goblins todos?

Sintra said...

Parece-me que precisas de um assassino profissional!
Ainda hoje matei 50 soldados americanos!