2012-07-31

Relvas - "Despacho atrasado"

Em Setembro de 2006, Miguel Relvas pediu que o seu percurso profissional fosse contabilizado na atribuição de créditos ECT para o curso de Ciência Política e Relacões Internacionais (CPRI) da Universidade Lusófona, ao abrigo do processo de Bolonha. Esse novo regime, que uniformizou as licenciaturas nos países da Europa, devia ser adoptado pelas universidades até 2010, mas podia ser aplicado a partir do ano lectivo de 2006-2007, desde que os despachos com os novos ciclos de estudos fossem publicados em Diários da República. Ora, a adequação do curso de CPRI da Lusófona aos critérios de Bolonha só foi publicado naquele órgão a 13 de Maio de 2008 - quase um ano após a conclusão da licenciatura do ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares. Detalhe: o despacho 13.426/2008, assinado pelo reitor Fernando dos Santos Neves, tem data de 22 de Junho de 2006.



2012-07-30

Código fascinante

Antes de mais nada, deixem-me dizer-vos que estou uns dias em Portugal. Também tenho direito a férias.

Agora, o sumo da questão. Ontem, um grande amigo meu, que eu já não via há sete meses, perguntou-me qual era o meu fascínio por programar. E digam lá que não é uma questão interessante?

Na altura, disse-lhe que é porque tenho um certo complexo de Deus. Ele, que também cresceu, como nós, com jogos de computador, compreende bem que os jogos constituem uma realidade alternativa, que, se não é exactamente tão real como a "nossa", é, pelo menos, igualmente gratificante. Ora, na qualidade e programador, nessas diversas realidades, somos deuses. Quando não, considerem o seguinte: se, neste exacto momento, vos entrasse, digamos, um hydralisk pela casa adentro, atrevo-me a dizer que estáveis feitos ao bife (e, brevemente, feitos em bifes. E costeletas. E lombo. E iscas de fígado). Mas os hydralisks não existem na mesma medida em que nós existimos. Por outro lado, enquanto programadores, não só não temos nada a temer de um hydralisk (enquanto ele esteja alegremente a devorar Marines e nós do outro lado do écran) como também somos capazes de definir não só as propriedades mas também o comportamento do hydralisk. E, convenhamos, o hydralisk é uma criatura imponente, mas completamente subjugado à nossa vontade. Power Trip!

Mas enfim, esta foi a minha resposta. Agora, gostava é de saber as vossas respostas. E claro que não me esqueci que nem todos os participantes e autores deste blog são programadores (ou principalmente programadores), mas tenho cá para mim que a maior parte tem, pelo menos, pus bocadinho de experiência a programar.

Finalmente, se, de facto, um hydralisk vos entrar pela casa adentro, provavelmente o melhor é pararem de fumar essas cenas...

Paz vobiscum ataque vale.

2012-07-20

Lembrança: quem realmente ganhou as legislativas



É preciso arranjar alternativas. Mas quem?

De Bastardos e Freiras, o outro lado de Afonso de Portugal

O assunto que vos trago aqui hoje não é de todo pacífico, nem confortável.


Como todos já sabem, D. Afonso Henrique (que discuto mais aqui) lutou toda a sua vida contra os mouros (e reis católicos!), casou com D. Mafalda de Saboia, e teve como filho D. Sancho I, segundo rei de Portugal. Linear, Certo?


Não é bem. D. Afonso foi também muito provavelmente dos mais tempestuosos Reis Portugueses. Habituado a que sua palavra fosse lei, acima até da voz de qualquer clero (ou papa, ele próprio se declara rei antes de ordem papal), Afonso raramente admite ser contrariado, e não ficou propriamente conhecido por seu bom humor ou disposição.


Afonso casa com Mafalda aos 36 anos de idade, uma idade bastante avançada para o primeiro casamento real, mas isto não quer dizer que se tenha mantido "ocioso" até essa data. O grande amor da vida de Afonso foi provavelmente Chamoa Gomes, sobrinha de Fernão Peres de Trava, este por sua vez amante e companheiro de D. Teresa (Mãe de D. Afonso Henriques) e conde Galego.


Chamoa Gomes tinha portanto sangue nobre, e ligações até com a Galiza, terras desde cedo cobiçadas por Afonso. Mas Chamoa tinha também um (ou vários problemas). Casa com Paio Soares, de quem tem 3 filhos e enviuva, Chamoa decide tornar-se Freira, é quando já é freira que tem um filho de Mem Rodrigues de Tougues. Chega-nos até nós hoje que sua alcunha era de "loba", não sei se por ter fama de "devorar" homens naquela época, mas estou mais inclinado para a malícia do clero da época que tinha muito contra Chamoa, mas já volto a este ponto.






É portanto Chamoa Gomes Freira no convento benedito de Vairão quando conhece D. Afonso. Bom, os detalhes não posso contar, mas tudo aparenta que o caso entre os dois tenha sido tórrido, tanto que entre 1135 e 1140 Afonso é pai por duas vezes.


Sim Chamoa Gomes dá ao futuro rei de Portugal os seus primeiros dois filhos: Fernando Afonso e Pedro Afonso....


O que se passou então? Se a paixão era tanta, porque não se casa Afonso com Chamoa, de quem tem inclusive 2 saudáveis filhos? Pressão política? Duvido, Afonso não respondia a nenhum outro nobre. Pressão religiosa? Quem no clero ousava pressionar o rei que depôs o bispo de Coimbra e o substituiu por um mouro?


Deixo a pergunta a "marinar", mas a minha teoria vai não para pressão política ou religiosa mas para o próprio D. Afonso. É claro, Afonso podia ser tempestuoso, a até mesmo adorar Chamoa, mas Afonso não era sem visão e Chamoa Gomes era como eu disse sobrinha do "padrasto" de D. Afonso Henriques, o que os faria de primos(não de sangue, mas primos na mesma) aos olhos de algum clero mais ligado a Espanha. Casamentos entre primos era motivo comum na época para excomungar (gravíssimo!), mas não só, caso Afonso fosse ter um "acidente", a nobreza ligada à sua Mãe e a Fernão Peres rapidamente tomariam controlo dos dois pequenos infantes, invocando laços de sangue, e unindo Galiza ao Condado Portucalense, com o detalhe de ter sede em Espanha.


E seria mesmo uma freira (ou ex freira) como rainha, e dois filhos ilegítimos com uma linha de sucessão bastante frágil que D. Afonso tinha envisionado para o futuro do Reino de Portugal? Certamente que não, e caso tivesse acontecido certamente o Reino tinha caído em guerra civil pouco depois da morte de Afonso.


Mafalda de Saboia, de famílias ricas Italianas-Francesas é sugerida então como um bom casamento a Afonso, casamentos este que é consumado em 1146, quando Fernando Afonso tem 11 anos, e Pedro Afonso 6.






Tristemente, os próximos anos não são bons para o casal. O seu primeiro filho, Henrique Afonso, morre em criança, o segundo filho, uma menina, acaba por falecer também, o terceiro, uma menina também, e foi só ao quarto filho do casal que nasce D. Sancho. O casamento também não é feliz, Mafalda acusava Afonso de infidelidade (talvez com Chamoa ainda?) e acabar por morrer, aos 32 anos de idade. 


Mas o que aconteceu aos primeiros filhos de D. Afonso Henriques? 
O mais novo, Pedro Afonso, torna-se o primeiro mestre da ordem militar de Avis, e pouco mais chega aos nossos dias de sua vida.


Fernando Afonso, o primeiro filho de Afonso, serviu primeiro como Alferes mor do reino, e foi mais tarde participar na 4ª cruzada. Já na terra santa, foi nomeado Grão mestre da ordem dos cavaleiros hospitalários (cargo de grande poder e influência), mas foi forçado a abdicar 4 anos depois por motivos desconhecidos e volta a Portugal, onde morre em circunstâncias... digamos, pouco claras. É sepultado em Santarém, e no seu jazigo pode-se ler:


“Quem quer que sejas tu, sujeito à morte, lê e chora. Sou o que tu serás, já fui o que tu és. Peço-te que rezes por mim”.













2012-07-17

rundll32.exe anyone?

Tinha dois processos rundll32.exe a passear no TaskManager a comer >50% do CPU.

Um deles desapareceu e o outro aparenta ser o novo Flash do Chrome. Mais alguém teve a mesma experiência com um rundll32.exe a usar >50% CPU?

P.S.: o Chrome quase parece um sistema operativo, ide a chrome://flags! A coisa anterior que descobri é que o Chrome faz queries random de DNS causando por vezes queries random de Netbios e LLMNR.

"Má Despesa: Site denuncia despesismo do Estado"

Vou partilhar um texto do Boas Notícias

«Mais de uma centena de casos de despesismo do Estado denunciados na plataforma online "Má Despesa Pública" foram agora reunidos em livro, numa obra que acaba de chegar às bancas.

O livro "Má Despesa Pública" será oficialmente apresentado na próxima segunda-feira, 16 de Julho, na rua do Século, 13 (Lisboa), na sede e livraria da editora Alêtheia, a partir das 18h30.

Numa altura em que a crise leva a cortes que afetam todas as famílias, esta obra pretende ser um contributo para a discussão da austeridade e do despesismo, num país onde, dizem os autores, a presença da troika não conseguiu pôr fim à má aplicação do dinheiro público.

Ao longo de mais de 200 páginas, o livro denuncia a gestão irresponsável e mesmo abusiva nas várias áreas do Estado: Administração Central, Empresas Públicas, Autarquias e Empresas Municipais, Governos Regionais e Fundações.

A plataforma online da Má Despesa Pública foi lançada, em 2011, por três amigos cansados do despesismo do Estado português. Neste blogue denunciam e agregam todos os casos de Má Despesa das instituições públicas, numa atualização permanente.»


E também, de outra página sobre o mesmo site,
«o Má Despesa incentiva os seus seguidores a denunciar casos de despesismo - através do email madespesapublica@gmail.com - e também a tomar parte ativa nesta luta protestando junto das entidades responsáveis.
Clique AQUI para consultar o blogue Má Despesa e AQUI para consultar os vencedores dos prémios de despesismo 2011. O grupo tem também uma página no Facebook que pode ser consultada AQUI»

2012-07-14

Prólogo I – A queda da Roma Antiga.


Visto que o Peres puxou o assunto do défice em Portugal, através do artigo Grandes Economistas e como hoje não me apeteceu dedicar tempo para o trabalho do IT (que está sempre em atraso), decidi finalmente escrever alguma coisa de jeito para este nosso blog.
Falar do futuro ou do que irá acontecer é sempre um tema… subjectivo, senão mesmo “mayano” e quando se fala sobre a Economia Europeia, pior ainda. Dependendo com quem se falar, se perguntarmos a alguém se acha que o problema da Dívida Europeia se irá resolver, poderemos obter respostas como “O que é isso?”, que representa a resposta de quem está a leste deste mundo e por isso nem conta para as estatísticas, “Tudo se irá resolver com medidas de austeridade e esforço do cidadão europeu comum”, que representa a visão do político optimista ignorante que não quer perceber que austeridade só pode ser aplicada até certo ponto (ver Curva de Laffer), “Vai ser o fim do mundo. Estamos condenados, vamos voltar à idade da Pedra”, que representa a visão do Pessimista que espalha o seu pessimismo mas sem perceber do que está a dizer e deve ser ignorado quando observado e por fim, “Muito provavelmente o Euro está condenado a não ser que inflacionem a moeda através da impressão épica de notas” o que representa uma visão muito realista do que poderá vir a acontecer. Não só esta é a minha posição como também vou explicar o porquê de a apoiar.

Prólogo I – A queda da Roma Antiga.
Muitos de nós lembram-se certamente de aprender nas aulas de História do ensino básico, algumas das causas da queda da Roma Antiga. Eu lembro-me perfeitamente de a minha professora de História, focar-se mais nas invasões bárbaras como a principal causa para a queda do império e também, como o alargamento e extensão das defesas do mesmo, no entanto, eu prefiro focar-me noutro aspecto muitas vezes esquecido mas que para mim, considero que tenha sido o golpe fatal, a questão político-económica.

A divisão do Império
O declínio começou por volta de 140 AD. Guerras civis, ataques constantes por parte das tribos germânicas Godos e Vândalos, enfraqueceram o Império tendo por consequência, sido perdido o apoio na própria lei Romana.
O Império romano estava espalhado por toda a Europa Ocidental, onde dentro da própria máquina militar, havia diversas e diferentes opiniões sobre o que é que o Imperador haveria de ser, culminando com cada um dos exércitos que compunha a máquina militar romana, a empurrar o seu próprio “candidato” para Imperador e envolvendo-se em batalhas para colocar o seu representante no lugar. Entre 211AD e 284AD, existiram 23 “imperadores-soldados”, todos depostos por rivais!

Para consolidar um império deste tamanho, era necessária uma forte máquina militar, bem gerida e mantida sob controlo, onde significa que seria necessário um controlo muito apertado dos gastos financeiros ou seja, da Dívida!

A desvalorização do Denário
Para aumentar o financiamento da máquina militar romana, era necessário obviamente aumentar os recursos financeiros do Império e para tal, existiam várias hipóteses tais como, aumento de impostos, aumento de receitas ou desvalorização da moeda. Para que se conseguisse aumentar as receitas naquele tempo, teriam que se aumentar as exportações para fora do Império, o que se tornava complicado visto que este mesmo estava sob ataque de todas as direções. Diversos foram os imperadores que optaram pela via mais fácil com sucessivas desvalorizações da moeda ao longo de décadas! Visto que naquela altura, só se vivia cerca de 40 anos, seria normal não perceberem os efeitos a longo prazo, sendo preferível “chutar a lata” para a frente, para que quem venha a seguir, resolva o problema.



O Denário, era uma moeda de prata de aproximadamente 4,5 gramas de prata, usada em transações comerciais de baixo custo, ou seja, para as compras do dia-a-dia, para pagamentos de ordenados enfim, para a economia das massas, onde para compras de altos valores, era usado o Áureo, uma moeda de Ouro, feita de aproximadamente 8 gramas de ouro (1/40 da libra romana) que fora padronizado por Cesar.

O Denário já ao longo de 2 séculos viria a ser constantemente desvalorizado para o sustento da máquina de guerra do império e para o próprio sustento da podridão de Roma! Como é que se desvaloriza uma moeda deste tipo? Simples, reduz-se a quantidade de prata que nela existe, substituindo por outro metal, um núcleo de ferro por exemplo. Mesmo o Áureo fora desvalorizado no tempo de Nero, passando a conter apenas 1/45 libras romanas de ouro.
Esta moeda, literalmente indexada à prata, era a espinha dorsal da economia Romana! Os cidadãos Romanos que ganhavam o seu ordenado em Ouro eram raros, sendo que a grande maioria recebia e fazia a sua vida regular com Denários.  
A desvalorização do Denário mostrou-se fatal. No final do Império de Marcus Aurelius Valerius Claudius Augustus, o Denário estaria já a sofrer uma hiperinflacção que viria a destruir a economia romana, visto que a moeda em si pouquíssimo valor teria, lançando o Caos Económico por toda a Roma Antiga. Os cidadãos romanos que ainda possuíam ouro sob forma de Áureos, ainda se conseguiram safar, ficando para trás todos os que optavam pelo Denário, tendo sido lançados para a pobreza e a miséria, por não terem uma moeda para representar o seu verdadeiro esforço de trabalho acumulado.

Sem uma moeda como o Denário para suportar a economia de massa do Império Romano, não haveria forma de suportar a máquina militar romana ou de evitar o desmantelamento da mesma. Deserções no seio militar, guerras internas de poder, ataques militares externos, enfim, estava constituída a tempestade perfeita.

Engraçado como os tempos de hoje (União Europeia e Euro) parecem orientar pelo mesmo caminho. Mais tarde, irei (tentar) publicar as minhas opiniões sobre isto.

2012-07-13

Notícias versus Blogs

Qual dos seguintes textos vos parece mais digno de um órgão que vos permite estar informado acerca do que ocorre em vosso redor?

CP perde clientes e sobe prejuízos


Empresas Públicas de Transportes (CP) : Buraco escorre para os bancos

2012-07-12

Jovem, queres usar DLL em Java?

Também tu podes agora usar DLL em Java sem teres de tirar um curso em JNI (e andares a "contar" ponteiros, e sem teres suores cada vez que há um erro - que tu culpas logo no programador de C do outro lado da barricada claro).


Yep, resumindo, JNI é uma dor de usar, e os problemas são tantos que nem vale a pena o esforço. Logo, e para responder ao título do post, recomendo vivamente JNA. Estupidamente fácil de usar, estupidamente sólido, e quando há problemas, sabes logo se é do teu lado (duh!) ou do lado de quem fez o DLL (duh!). Aliás, chega ao ponto do estupidamente fácil que tu:



  1. Public Interface OmeuDLL extends Library{
  2. OmeuDLL INSTANCE = (OmeuDLL) Native.loadLibrary("OmeuDLL")
E quando o queres usar:
  1. OmeuDLL xpto = OmeuDLL.INSTANCE
  2. xpto.asfuncoesdogajodeC();
  3. xpto.loleleusaponteiros(lol);

Lembra-te apenas que quando no header do DLL vires char, char* ou void* tens de ter o cuidado de colocar o correspondente tipo de váriável correcto. Neste caso char - byte, char* - String, void* - Pointer.



EDIT by Pedro: editado HTML para permitir linewrap. Blogger, eu ter de ir mexer no HTML do post para o o linewrap acontecer é, bem, um bocado parvo!

2012-07-10

"Adeus ACTA, olá CETA!"

Meus caros, não vos deve chocar muito mas pensei que fossem demorar mais a tentar de novo.


Via Slashdot:
New submitter xSander writes "Is anyone really surprised by this? ACTA may have been rejected by the European Parliment, but it is far from dead yet. Apparently, the EU is trying to revive ACTA through the Canada-EU Trade Agreement (CETA)." The article contains a handy side-by-side comparison of the CETA clauses that are nearly identical to ones found in ACTA.
 

"Profissão: Ex-Ministro"

Mesmo a tempo, surge na Net a seguinte reportagem da SIC relativamente à profissão de ex-ministro:




O poster destes vídeos (que também publica o Eixo do Mal na net) devido a não ter autorização para os publicar apaga vídeos após umas semanas da sua publicação. Podem ver já, ou se quiserem ver depois, usem o JDownloader para o sacar.

2012-07-09

Mechwarrior 4: Mercenaries: Stone Rhino 2

Venho por este meio queixar-me do Zeca, que está neste momento a jogar Mechwarrior 4: Mercenaries em Skirmish usando um Stone Rhino II.




Este Mech tem 100 toneladas. Até aqui nada de especial, tanto Daishi como o Atlas têm o mesmo peso (ou à volta disso). Mas esta treta deste Mech tem.... tchan tchan tchan tchan! JUMP JETS! É isso mesmo, este peso pesado salta........ Onde é que já se viu isto?

Piadas à parte, não joguei ainda Mechwarrior 4: Mercenaries (Mektek pack). Mas não sei se hei-de ficar entusiasmado com um Mech de 100 toneladas com jump jets ou se tira a "realidade" ao jogo.

O Zeca chamou-me a atenção que este Mech tem também slot capaz de suportar Rail Gun. Ainda não tenho noção das potencialidades disso mas de acordo com ele um disparo de uma Rail Gun equivale a 3 PPC (é, no entanto, projectile e portanto sujeita a falta de munição).

P.S.: tenho de ver se volto a encontrar o trainer para MechWarrior 4 para retirar os limites de peso :p

Relativo à futilidade da petição "Pedir ao Ministro Miguel Relvas que se afaste do Governo"

Pediram-me que partilhasse a petição Povo Português: Pedir ao Ministro Miguel Relvas que se afaste do Governo.


Não vou perder tempo com isto fora partilhar este post no Facebook e amigos.
Problema 1: o Sócrates continuou lá depois de se ter formado a um domingo; este vai continuar por lá;
Problema 2: vão dizer que mesmo que mesmo que ele não tenha curso continua a fazer o seu trabalho bem (é discutível, mas é o que vão dizer)
Problema 3: o facto de ser uma licenciatura esquisita não prova nada; lembro-me do caso do indivíduo que foi absolvido da acusação de corrupção porque apesar de ter recebido dinheiro não estava num cargo em que fosse capaz de cumprir o prometido!! (Peres, acho que foste tu que me mostraste essa notícia, não consigo encontrar o link, tu consegues?) (obrigado ao Peres pelo link!)
Problema 4: petições online aparentam não servir de nada (via Aberto até de Madrugada (nos comentários)). Talvez algo chamado de "Movimentos" numa plataforma do governo (site muito lento) sirva de algo, mas eu não sei (na altura da PL118 usaram-se petições online; posso apenas deduzir que não tenham vínculo legal mas sirvam para ter alguma influência; por outro lado aqui fala-se da possibilidade de submeter uma petição eletrónicamente; de qualquer maneira, terá de ser submetida).

Por tudo isto, não vou assinar nenhuma petição online relativa ao assunto em questão.


Se querem mais petições online e assuntos pelos quais nos devíamos mexer, encontrei sem querer este blog cujo conteúdo me parece ser muito interessante e cujo autor deve ter uma paciência de santo: Corrupção mostra a sua capacidade de neutralizar a justiça, mesmo entre os poderosos  (esse post em particular demonstra como o delator de um caso de corrupção é acusado de ter cometido uma ilegalidade (coisa que fez, mas.... enfim, leiam e tirem as vossas conclusões)). Pessoalmente, irei subscrever esse blog.

EDIT: Curiosamente, o link que pus no final do post é uma actualização à situação que referi no ponto 3 (e que o Peres entretanto deu o link): sujeito A contactou B para falar com irmão de B para vender/facilitar/validar um terreno qualquer; B gravou conversa; B foi acusado de gravar conversa (crime); sujeito A foi ilibado na notícia referida no ponto 3.

2012-07-05

Mechwarrior Online

Por alguma razão tenho saudades de um bom jogo de Mechwarrior 4 em que, por exemplo, levava na boca como uma fatia de pão (will make sense in a minute) de um Novacat armado apenas com flamethrowers (e que, sem qualquer dúvida, se chamava no PC do Peres de "Torradeira").

É claro que temos sempre aquela vem em que destruí o Mech do Peres com um Vulture cheio de mísseis que, enquanto fugia do Peres, manteve o torso virado 180º (durante toda a fuga) enquanto disparava mísseis locked on ao Mech do Peres, a uma distância superior áquela que o Peres conseguia disparar :D

De qualquer maneira, os fãs da série Mechwarrior com placas gráficas terão o Mechwarrior Online que sairá a 7 de Agosto.

Detalhes: aparenta ser um plano freemium o que me deixa de pé atrás. Preferia que cobrassem porque, a não ser que seja muito bem feito, na prática é preciso pagar para conseguir fazer alguma coisa de jeito. É esperar para ver.

Cisco is watching you

Na lista de companhias com ataques de genialidade questionáveis, com que terei de ter mais cuidado no futuro, encontra-se agora a Cisco.

Aparentemente acha boa ideia fazer um update a alguns dos seus home router de forma a facilitar a gestão, via uma página Web, acessível a qualquer pessoa na net com as credenciais corretas, do vosso router.

Pelo caminho, informa-vos das novas políticas de utilização:

    You agree not to use or permit the use of the Service: (i) to invade another's privacy; (ii) for obscene, pornographic, or offensive purposes; (iii) to infringe another's rights, including but not limited to any intellectual property rights; (iv) to upload, email or otherwise transmit or make available any unsolicited or unauthorized advertising, promotional materials, spam, junk mail or any other form of solicitation; (v) to transmit or otherwise make available any code or virus, or perform any activity, that could harm or interfere with any device, software, network or service (including this Service); or (vi) to violate, or encourage any conduct that would violate any applicable law or regulation or give rise to civil or criminal liability.

    While we are not responsible for any content or data that you choose to access or otherwise use in connection with the Service, we reserve the right to take such action as we (i) deem necessary or (ii) are otherwise required to take by a third party or court of competent jurisdiction, in each case in relation to your access or use or misuse of such content or data. Such action may include, without limitation, discontinuing your use of the Service immediately without prior notice to you, and without refund or compensation to you.



Relembro que isto foi um update a um firmware que já estava em routers e não um novo produto.

Não me parece que o backlash seja pronunciado (afinal, who cares?), o que quer dizer que são capazes de repetir a brincadeira no futuro.

2012-07-04

Ex.mo Sr. Dr. Eng. Prof. Min. Relvas

1984 - Inscrição no Curso de Direito na Universidade livre, onde completou 1(UMA) cadeira
1985- Pede mudança para curso de história, onde completa 0 cadeiras
1995 - Inscrição no Curso de Relações Internacionais, onde completa 0 cadeiras
2006 - Inscrição no curso de Ciência política na Lusófona, que completa em menos de 1 ano  (sendo o curso de 3 anos, com 36 cadeiras).


A universidade esclarece que:
...(a) universidade privada analisou o “currículo profissional” de Relvas, bem como a frequência dos “cursos de Direito e História” anos antes... (daí as "equivalências que permitiram acabar o curso) 


E numa notícia totalmente não relacionada:
Felciano Barreiras Duarte, actual secretário de Estado de Relvas, era professor do curso de Relvas na Lusófona.









Vírus? googlesave.html

Nas últimas semanas estou farto de receber emails cujo conteúdo é algo deste género:

http://<endereço aleatório>/wp-content/<caminho aleatório>/googlesave.html

Não posso ser o único mas não encontro referência nenhuma na internet ao senhor URL. No entanto, é enviado sempre por pessoas que conheço, ia parar quase sempre à Inbox (até eu os começar a reportar como Spam) e como tal não percebo como mais ninguém se dedicou a analisar os emails.

(o Virustotal categoriza o URL como seguro)


P.S.: usar < e > num post do Blogger dá uma dor de cabeça de todo o tamanho.
P.P.S.: desisto. < é "menor que" e > é "maior que".
P.P.P.S.: afinal o < e > aparecem bem no post publicado, mas na janela de compôr o post não.