2010-10-30

Frak IE



Sim puz um menu horizontal com entradas interactivas em cascata.... ou simplificando: um dropdown menu

Testei em Google Chrome, FF e no browser do S60 ... dá...



Se dá neste misero telemóvel e não der no IE .... a culpa não é minha ... o browser não respeita a especificação >_>

Hmmm ... pra os utilizadores do IE não ficarem deprimidos fiquem com esta imagem do meu gato:



Goucha: faz o que quiseres do menu... eu não lhe mexo mais ...

Google, you are annoying sometimes

Caro Google:

Eu adoraria aceder ao Blogger Template Language Specifications, se soubesse onde tal anda.

Como tal, ao teu aviso "The template is invalid. Please make sure it is well-formed and complies to the Blogger Template Language Specifications.", eu mando-te foder lamber sabão.

Sem outro assunto,
--
Pedro

EDIT: Zeca obrigado por te teres dado ao trabalho. Fiquei curioso como tinhas feito e após ver resolvi insistir mais uma vez e consegui fazer alterações Google-friendly way.

O Zeca teve o trabalho de fazer substituição de uma carrada de variáveis mas para poder continuar a usar o Template Editor tentei de novo alterar no sítio das variáveis por omissão e consegui finalmente que isto comesse os valores por percentagem:

$ diff template-meu.xml template-zeca.xml
(...)
<       < b:variable default='930px' name='content.width' type='automatic' value='100%' />
---
>       < b:variable default='980px' name='content.width' type='length' value='860px' />
756c756
<         max-width: $(content.width);
---
>         /*max-width: $(content.width);*/
766a767
>         width:100%;
1795c1796
(...)

2010-10-28

A China e o reverse engineering.

Passando os olhos pelos feeds vi um título que me despertou atenção.

"How Manufacturing's Mockingbird Sings:
From batteries to cars, BYD engineers have found that successful product manufacturing begins by copying others"

O artigo fala de uma das empresas mais bem sucedidas da China e começa assim...

"Auto technician Li Xuelin never dreamed of dismantling his boss' Mercedes Benz S300. But one day, that's exactly what the boss ordered Li and a half-dozen colleagues to do.

It wasn't easy. At first, the technicians just stood beside the shiny black car, daring not to touch it. But eventually their boss and BYD CEO Wang Chuanfu broke the stalemate.

Wang stepped up to the car and, with sweat on his brow, gouged the paint job with a car key. "Now you can start," he said."

O mundo sabe que as patentes têm pouco valor na China, mas o artigo é mais do que um testemunho da falta de protecção da propriedade intelectual, ele é revelador de um modelo de crescimento em que vale, literalmente, tudo.

O artigo é algo extenso mas vale a leitura. Podem encontrá-lo aqui.

2010-10-26

Filmes para o ano 2011

Isto. Há muito por onde escolher. Vai ser um ano em grande, portanto.

Mas agora, agora queria falar brevemente acerca do Thor. Mais exactamente, este pormenor:

Este bocadinho de trivia fez-me rir.

"The final choice for the role of Thor came down to brothers Chris Hemsworth and Liam Hemsworth. Chris found it funny: "we both came all the way over here from Australia and ended up battling against each other." He however bore no ill-will towards Liam, claiming he was rooting for him to get the role."

Imagino que o actor Chris Hemsworth tenha lido isto e pensado "Alto lá! Eu nunca disse isso!".

Sucede que, na Austrália, onde a tampa do porta luvas do Range Rover funciona tão bem como no hemisfério norte, "root" quer dizer outra coisa.

Enfim, achei cómico.

Pax vobiscum atque vale.

2010-10-23

Estados de espírito

Sexta-feira, 19:00h



Sábado, 19:00h



Domingo, 19:00h



TL;DR (ou melhor TL;DL): work sux

2010-10-20

Tarifários de Internet marroquinos

Vamos supor que vocês num acesso de loucura resolvem, num acto de insanidade, mudar de ISP. Vamos também supor que todos os sites têm informação acessível de forma clara e confusa e que não foram feitos por um designer que quer agradar à pita maluca e ao cota que tem mais que fazer ao mesmo tempo.

Tendo em conta estas duas pré-condições, o que será de supor aceitável? Eu, inocente, assumi que bastava ir aos sites das operadoras e ver lá as suas condições.

Aparentemente não. Apareceram dois senhores -- muito prestáveis, diga-se sem sarcasmo, que me aturaram as dúvidas durante 30 mins -- à minha porta com uma oferta de um ISP que usa um gato no anúncio que me anunciaram que poderia pagar por um serviço que no site dizia que custava €50 apenas €37.

Agradeci mas resolvi confirmar e no balcão do centro comercial mais próximo fui informado por um vendedor muito entusiasmado que de certeza que recebe comissão que era por viver numa zona especial.

Para além disso fiquei a saber que teria de pagar a Box após o primeiro ano, mas que podia renegociar o contrato e continuar no segundo ano sem pagar contrato.


Portanto meus caros, recomendo vivamente que comecem a treinar a comprar T-shirts aos marroquinos. Porque aparentemente também é preciso saber regatear com os ISP.

2010-10-17

Browsers wars 2010

Após uma conversa com o Mesquita lembrei-me que seria adequado escrever mais uma vez sobre o nosso tópico de conversa favorito, qual a melhor distribuição de Linux maneira de navegar nas Interwebz, nomeadamente, qual o melhor browser.

Antes demais, as poucas vezes que me experimentei o Safari em Windows não gostei, por isso nem tenho dado hipótese ultimamente. Tenho ideia que o port que a Apple faz das coisas para Windows é por uma questão de assegurar compatibilidade com os seus produtos em Windows e não tanto fazer uma coisa excelente a nível de performance.

Assim sendo, e estando avisados que ignoro o Safari à partida e não tenho investigado nenhum dos pequenos, nomeadamente Konqueror, Arora, Rekonq e Epiphany, aqui vai a minha opinião.

A vitória vai, sem qualquer sombra de dúvida, para o Google Chrome. É rápido e... bem é rápido. Querem um browser ou querem um canivete suiço? Usando o motor desenvolvido pela Apple para o Safari, o Webkit, por sua vez baseado nos seus primórdios no motor desenvolvido pelo KDE para o Konqueror.

Em segundo lugar, fica um empate entre o Opera e o Firefox. O Opera é teoricamente mais rápido que o Chrome e é mais rápido que o Firefox, mas principalmente na versão Linux parece que o primeiro segundo ou assim a carregar as páginas se engasga. Também a puxar a minha preferência para o Firefox está a existência do Tabview/Tabcandy na versão beta que facilita a tarefa de ter várias tabs abertas, especialmente se as tabs forem associáveis em "grupos" diferentes, p.ex., notícias VS jogos VS trabalho. Em vez de andar à caça das tabs no meio umas das outras, só estão visíveis as que interessam. E não, o uso de sessões ou várias janelas do browser não traz o mesmo conforto.

Agora as desvantagens e os detalhes técnicos: o Chrome não traz a facilidade de ver se um site tem RSS, ao contrário dos outros que mostram o ícone laranja do RSS; o Chrome tem o código na sua maioria open-source, pela mão do projecto Chromium, mas tem componentes fechados que entre outras coisas podem -- em determinadas situações ocasionais -- mandar uma identificação para os servidores da Google -- por exemplo, em alturas de updates.

O Firefox beta é, enfim, uma beta, e a versão estável actual, a 3.6.10, é exasperadamente lenta face à concorrência. O Firefox é open-source.

O Opera é closed source mas fora isso é perfeito. Há quem jure também pelo cliente de mail do Opera e para além disso tem ainda cliente de IRC e torrent incorporado.


E vocês, que dizem? Fire away!

Zeca: Corrigi alguns erros...

2010-10-16

Leis de Mercado

Quem me segue no Facebook sabe que estou a ver se deixo de tirar séries da Internet, por uma questão moral e económica: se eu deixar de ver séries porque não passam na televisão portuguesa em alturas decentes, me recusar a pagar €40 por uma season em DVD e não as piratear, então fico mentalmente disponível para procurar alternativas que poderão -- ou não -- ter uma qualidade equiparável ás séries que eu deixei de ver, aumentando assim a exposição das séries alternativas que, espera-se, sejam mais baratas que as outras, ou com maior qualidade, ou algo assim.

Assumindo que não volto atrás nesta decisão, a minha alternativa imediata está a ser podcasts.
Aqui está a lista de podcasts que considero analisar num futuro próximo:


Relativamente a séries propriamente ditas, tenho ainda por ver o Pioneer One -- segundo li os actores são um bocadinho verdes mas está fixe. O Neca supostamente também o viu mas nunca mais falei com ele a ver se valia a pena ver.

2010-10-13

Caridade

Hoje recebi um telefonema. Isto é incomum, para mim, mas não digno de nota, não fosse ter recebido o tal telefonema no telefone fixo, a partir do qual nunca faço chamadas e que só tenho para poder pagar menos à Cabovisão. O que era realmente extraordinário é que o meu interlocutor não era nenhuma das (duas) pessoas a quem eu dei o número deste telefone (faço notar que nem eu sei este número de cor). Era uma instituição de caridade.

Queriam que os ajudasse a angariar fundos para oferecer a um jovem de 31 anos que, recentemente, se tornou paraplégico uma cadeira de rodas motorizada.

"Motorizada?" Indaguei. "Por quê motorizada?"

Sucede que o jovem de 31 anos em questão mora sozinho e não tem quem o empurre.

Ora bem, não tenho qualquer veleidade de entender o drama de quem não se pode servir das próprias pernas, mas também eu já tive que me servir de uma cadeira de rodas e lembro-me que a tal cadeira, para além de rodas, tinha um aro junto a cada roda que o utilizador podia fazer girar para deslocar a cadeira sem se levantar. Mais: se fizesse girar um dos aros enquanto impedia que o outro girasse, a cadeira virava e, se fizesse girar os aros em direcções opostas, a cadeira girava sem sair do sítio (era holonómica, como o Cambada e o R2-D2. Só tecnlogia!). Não tinha era motor.

Quer isto dizer que as cadeiras de rodas motorizadas são, inexcepcionalmente, um despedício de dinheiro e deviam ser reunidas em praça pública e incineradas?

Claro que não. Para pessoas que tenham mobilidade reduzida nos braços (ou distrofia muscular aguda ou um braço a menos ou dois braços a menos ou três braços a... espera lá...) ou outro motivo de força maior, um motor é perfeitamente justificável. No entanto, tanto quanto entendi, não é o caso deste jovem.

Já agora, havendo aí alguma alma caridosa, tenho 25 anos, moro sozinho e não tenho namorada. Façam aí uma vaquinha para me arranjar uma Scarlett Johansson, se faz favor.

Caridosamente, hoje fiz a minha parte para que um jovem de 31 anos que se tornou, recentemente, paraplégico, não perdesse completamente esse exercício físico que nos advém do simples acto de andar. E nem estava a usar boxers!

Pax vobiscum atque vale.

2010-10-08

Recessão...

Recessão económica em Portugal:

"O Carlos,
Enquanto o café (importado da Colômbia) estava a fazer na máquina (Made in Chech Republic), barbeou-se com a máquina eléctrica (Made in China).
Vestiu uma camisa e um jeans de marca (Made in Singapure). Depois de preparar as torradas na torradeira (Made in Spain) e enquanto tomava o café pegou na máquina de calcular (Made in Korea) para ver quanto é que poderia gastar nesse dia e consultou a Internet no seu computador (Made in Ireland) para ver as previsões meteorológicas. Depois de ouvir as notícias pela rádio (Made in India), ainda bebeu um sumo de laranja (produced in Israel), entrou no carro (Made in France) e continuou à procura de emprego.
Ao fim de mais um dia frustrante, com muitos contactos feitos através
do seu telemóvel (Made in Finland) o Carlos decidiu relaxar e sentou-se num sofá (Made in Sweden), ligou a TV (Made in Slovenia) e pôs-se a pensar porque é que não conseguia encontrar um emprego em PORTUGAL!"
~~~~ By Carlos Gomes (N.I.)

O que é que nós portugueses produzimos/exportamos afinal? (que não consumimos/importamos em numeros superiores)

2010-10-07

Sexting

Uma vez, um de nós (o equivalente do efeito de mosaico sobre a cara, se isto fosse televisão) contou-me de, nos tempos áureos do IRC, um colega conheceu uma mulher mais velha que lhe fazia telefonemas à noite; telefonemas esses que variavam entre o pornográfico e o obsceno.

Mas isso não é sexting. Como aqui somos todos pessoas cultas, escuso de definir sexting e posso passar directamente ao link do post.

Que é este.

E agora, enquanto vocês ignoram o texto, vou escolher algumas passagens para comentar:

"O Sexting junta sexo e mensagens de telemóvel que caindo em mãos erradas podem ser fatais." Primeiro queria felicitar o autor desta frase pelo uso adequado de conjunções e vírgulas, mas, como este não está identificado (por vergonha, sem dúvida), vou apenas comentar "não exageras nada". Incedentalmente, este comentário emprega ironia para repreender o uso inadequado da hipérbole, caso alguns e-jornalistas estejam a ler.

"(...) uma jovem a frequentar o primeiro ano do ensino superior e que terminou a relação amorosa com o namorado, a quem tinha enviado fotos suas nua e algumas até com exposição dos órgãos genitais, vê as suas fotografias na internet. O rapaz sentiu-se abandonado e para resolver este seu luto da namorada vingou-se colocando as fotografias que identificavam a rapariga na Internet e fazendo uma exposição por e-mail para os amigos." Antes de mais nada, obrigado por porem este excerto em bold, facilita a tarefa de seleccionar. E agora, isto lembra-vos alguém?

"(...) computadores nos quartos dos jovens, cujos caminhos percorridos são do total desconhecimento dos pais, ao abrigo da noite." Toda a gente sabe que, de dia, a internet é pouco mais que um repositório de gatinhos, jacintos e arco-íris. A Wikipedia "desliga" os artigos acerca de armamento, doenças e outras coisas desagradáveis. O 4chan é banido da existência colectiva todas as madrugadas. Mas assim que o sol se põe (pausa à lá Jeremy Clarkson) a Besta ergue-se!

E, depois de mais uma platitude, o artigo acaba sem dizer praticamente nada, mas depois de ter empregue uma dúzia de manobras de diversão sensacionalistas. Ainda bem que ao menos o jornalismo português trata este novo flagelo da sociedade de forma tão sóbria e informativa. O futuro da nação está assegurado. Já não me apetece ir para nenhum país estrangeiro, nunca mais, nem de férias e tenho a certeza de que o Sintra (um grande abraço transatlântico para ele) está, agora que acabou de ler este artigo, a clamorar por um bilhete de volta para a pátria de D. Sebastião.

E, já agora, apraz-me dizer, talvez antiquadamente (sucede que eu ainda me recordo dos dias áureos do IRC), mas por que raio é que alguém que procura uma actividade potencialmente tão segura como sexting (vá lá, expliquem-me em que medida é que um violador que sabe exactamente o meu número de telefone, talvez o meu nome, dependendo da sorte que tenha entre o Google e a Vodafone e ainda que "estou cheio de tusa", por exemplo, me vai fazer mal? Vai mandar-me um SMS com vírus e o meu iPhone nunca mais vai ser o mesmo?) se há de lembrar de deliberadamente se por em elevado risco, oferecendo fotografias íntimas a uma pessoa que, à partida, mal conhece?

E, já agora, é impressão minha ou são sempre raparigas que, de repente, acordam e descobrem que metade do Liceu anda a ver as fotografias que ela mandou àquele amigo que tem 37 anos e só conhece do Facebook? Alguém se lembra de ter tido colegas (feminino) no Liceu com uma compulsão para mostrar o corpo nu ou seminu a completos desconhecidos? É que já não foi na semana passada que eu andei no Liceu, mas não me lembro de as coisas serem bem assim...

E, já agora, pax vobiscum atque vale.

2010-10-04

SoftMaker Office

Caso algum dos leitores deste blog esteja interessado em comprar software porque

  • vai deixar de piratear o MS Office / Apple iWork
  • não gosta do OpenOffice.org
então venho por este meio dar a conhecer o SoftMaker Office. Por €69.95 têm 3 licenças para uso na mesma companhia ou residência (ou €29.95, se forem estudantes). Comparem com os €109 do Office versão normal. Não consegui perceber quanto é que custava a versão para estudantes, os sites da MS têm o condão de me enervar.

De notar que o SoftMaker Office traz o equivalente "apenas" a Word, Excel & Powerpoint, enquanto que o Office traz o Word, Excel, Powerpoint & OneNote .

Adenda: o SoftMaker Office diz que tem compatibilidade excelente com .docx e amigos, mesmo com os mais complicados. Preciso de testers para confirmar isso.

Adenda n.º 2: Afinal não têm versão para OS X.