2017-05-24

Blast from the past

Ao ler em vários lugares por essas "internetes" fora que as universidades andam, um pouco por todo o mundo, a descambar numa libertinagem esquerdista extrema e, digamos, idiota, polvilhada de parangonas como "aluno processa professor por "micro-agressão" e racismo" quando tudo o que o professor tinha feito foi corrigir a ortografia e gramática do aluno ou a história do professor de sociologia que mostrou uma imagem composta por várias silhuetas idênticas de esqueletos humanos, cada uma rotulada como pertencendo a uma ou outra raça, defendendo a noção de igualidade, e depois expulsou da sala a aluna que o recordou de que os esqueletos humanos, à semelhança da pele e das caras, têm características que os permitem identificar como pertencendo  a uma ou outra raça e mesmo diferenceiar entre sexos e idades (mas vamos deixar as altas discussões políticas para o /pol/).

Quis, portanto, por curiosidade, saber em que estado está a nossa alma mater, e achei que não tinha melhor que procurar o velhinho fórum de curso. Sucede, não surpreendentemente, que o velhinho fórum de curso (que morava no número www.ect-ua.com da rua http://) já morreu, e há agora um rapazote novo a fazer o trabalho dele noutro lado, de maneira que procurei no google "fórum telemática Aveiro" (porque o Google costuma perceber estes telegramas cifrados que, se ditos às pessoas, garantem, no mínimo, um olhar estranho e, no máximo, uma visita ao hospital psiquiátrico mais próximo, com opção de um olho negro), esquecendo-me que ia encontrar uma resma de resultados sobre o centro comercial Fórum.

Mesmo assim, encontrei, na página inicial, o novo fórum de curso. Surpreendentemente, no entanto, vários resultados antes, encontrei este link:

http://sweet.ua.pt/goucha/ect/index2.htm

Pax vobiscum atque vale.

2017-04-25

Salgueiro Maia, 3 meses após o 25 de Abril

Camaradas, tenhamos bem presente que ou nos mantemos fora das lutas partidárias como garantes da ordem, ou então não somos dignos da confiança que a Pátria consubstanciada no seu povo nos dedica.
Que cada um desista das facilidades pesssoais com vista a alcançar a popularidade ou algo tão efémero como isso.
Que cada um não se esqueça que cada um de que tem direito a ter acesso à inteligência
e à capacidade de raciocionar para além dos slogans orquestrados pelos partidos.

-- Salgueiro Maia, 3 meses após o 25 de Abril

https://arquivos.rtp.pt/conteudos/capitao-salgueiro-maia-em-santarem/



2017-04-10

As escolas fazem mal à democracia #Brexit

Isto o chuveiro é realmente um excelente lugar de contemplação... Aqui há dias, ocorreu-me o seguinte:

No Reino Unido andam às turras por causa do Brexit, apesar de o Brexit ter sido aprovado pela maioria do povo. Na América, andam às turras por causa do Trump ser presidente, apesar de ele ter sido legalmente eleito*. E eu só me pergunto, "Então mas essa tropa, depois de ter votado e de ter perdido, vem agora fazer barulho? Isso não era coisa para ter sido feita antes da votação?"

Porque, afinal, vejamos: Não visa a democracia ser o sistema mais justo de governo, mediante o qual cada cidadão, igualmente representado no acto do voto, respeita e acata a decisão da maioria? Com que legitimidade é que fulano me vem dizer que cicrano é um fascista quando cicrano foi devidamente eleito?

Aceito que me digais que quem votou numa opção ou noutra tem o direito de mudar de opinião, mas não concedo a ninguém o direito a mudar o voto**.

Se calhar, a esta altura estar-se-ão a interrogar, "Então mas que raio tem a escola a ver com isto?". Ora bem, quando eu andava na escola lia bandas desenhadas do Homem Aranha e ia às aulas (não ao mesmo tempo). Nas aulas, às vezes, tínhamos o direito de votar numa lista ou outra para a associação de estudantes. Eu nunca me meti nessas políticas, sobretudo porque nunca ninguém me soube explicar exactamente para que é que servia a associação de estudantes****, de tão entusiasmada que estava toda a gente com o prospecto de umas dispensas ocasionais das aulas para tratar dos assuntos da associação. Ora eu, mesmo não gostando lá muito das aulas, não via que valesse a pena estar a meter-me de cabeça numa embrulhada desconhecida para poder faltar impunemente. Em consequência do mesmo (entenda-se, de não se saber muito bem para que é que servia a associação de estudantes), as "campanhas eleitorais" de cada lista consistiam em tocar música muito alto, distribuir autocolantes e guloseimas variadas e, se os membros ou apoiantes não se importassem de contribuir, reunir umas consolas e umas televisões pequeninas para aliciar os eleitores, mas nem um vestígio dos seus valores, das suas prioridades ou das suas propostas. Posto isso, a decisão eleitoral recaía sobre factores secundários idiotas, como sejam "qual é a lista que tem mais amigos/colegas meus", "qual é a lista que mais colegas meus apoiam", "qual é a lista que me deu mais ou melhores rebuçados", "quem é que me bate se eu votar numa lista ou noutra".

Quando cheguei ao Liceu, já havia alguma maturidade. Por exemplo, havia debates entre as diversas listas proponentes*****, mas o ênfase do que era a associação de estudantes continuava tão longe das actividades da associação de estudantes que, em determinado ano, pelo menos um colega meu, julgando estar isento de reprovação por faltas desde que faltasse "por motivos de campanha eleitoral", deixou-se "tapar" a todas as disciplinas, e só não reprovou antes das férias da Páscoa porque a Directora de Turma o foi buscar ao recinto do recreio para lho dizer. Quando lhe perguntávamos por que é que ele queria ser parte da associação de estudantes ou o que é que ele pretendia fazer se fosse eleito, ele dizia-nos que não queria saber; que só estava nestas andanças para poder faltar à vontade******.

Ora, sucede, como já mencionei, que lia o Homem Aranha. Infelizmente, a mesma escola que nos encorajava a decidir o nosso voto arbitrariamente e de maneiras parvas, para elegermos uma lista que não queria saber ou uma lista que queria era baldar-se, não nos mandava ler o Homem Aranha. Lá "Os Maias" e "Os Lusíadas" e "Frei Luís de Sousa", tudo muito bem; agora o gajo ágil que rebenta ladrões, manda piadas e não é o Deadpool, népia!

E fazem mal! É que o Homem Aranha teve uma vez um tio que se chamava Ben e fazia arroz num instante, e que antes de morrer lhe disse que "com grande poder vem grande responsabilidade". Olhemos então para a palavra "Democracia": resulta da composição de dois étimos (ou palavras-raíz) gregos (que, de resto, também é onde foi inventada a própria democracia), a saber, demo, e kratos. "Demo", longe de ter a ver com versões muito reduzidas de jogos ou de figuras religiosas judeio-cristãs, significa "povo" e "kratos" significa "poder". Para além disso, se googalizarem "kratos", surge isto:


Quereis convencer-me que, com um burgesso destes, não vem grande responsabilidade? Se ao povo é dado o poder de decidir o destino de uma nação, é-lhe igualmente incumbida a responsabilidade de saber o que raio está a fazer, e não é isso que a escola anda a treinar sucessivas gerações de eleitores para fazerem.

Então surge o Brexit (por exemplo). É claro que o Zé Maria Pincel, que, no 9º ano votou na Lista C, apesar de a miúda de quem ele gostava estar na Lista B (mas o Paulo Rego dava-lhe uma porrada de criar bicho se ele não votasse na lista dele!), e que no 12º ano votou na Lista X porque uma das miúdas vinha identificada nos panfletos como "Bomba", que era a alcunha dela, e ele achou piada, face ao prospecto de votar contra ou a favor de se deixar a União Europeia vai olhar para a cara do Cameron, para o corpo da May e arrepiar-se todo de medo do Farage (ou então por outra ordem qualquer; não estou aqui para o julgar... pelo menos, não por isso), e só depois dos votos estarem todos contados, se de todo, é que vai fazer contas à vida e perceber que votou bem/mal.

Eu até tinha ganas de propor que o voto não fosse o direito de nascença de qualquer cidadão, mas antes um privilégio conseguido à custa de se informar junto de pelo menos dois partidos, mediante sessões de formação gratuitas disponibilizadas pelos próprios partidos, que, afinal, não recebem tão pouco dinheiro do estado para que possam alegar não ter verba, mas imediatamente alguém se ia lembrar de uma maneira simples e eficar de subverter o sistema, e depois eu remendava o sistema nesse ponto específico, uma vez e outra, e outra, e outra, e, antes de dar por ela, estávamos num regime absolutista à lá George Orwell com influências de Starship Troopers e Ayn Rand, mas que era uma democracia porque uma oligarquia não específica tinha o direito ao voto. Portanto, mais vale nem pensarmos muito nisso.

Está bem que isto não impede deshonestidades como a do próprio Nigel Farage, que andou a pintar nos autocarros todos de Londres que o Reino Unido pagava quanto pagava à União Europeia em vez de injectar a mesma quantidade no seu próprio sistema nacional de saúde, e quando o povo quis sair, "revelou" que nunca teve a menor intenção de fazer exactamente o que sugeria nos autocarros e que quem votou nessa premissa fez mal... Ou será que não?

E só para que não fiqueis a julgar que, assim que se chega à universidade, estas imbecilidades desaparecem, recordo-vos que mais que uma vez entrei no DETI, sem saber tratar-se de dia de eleições, e imediatamente descobri uma mesa de voto, munida de "boletins de voto" (que eram vulgares rectângulos de papel colorido, não particularmente bem cortados) para três cargos diferentes, havendo apenas uma única lista candidata aos três cargos. Se achais que encenar eleições para um cargo para o qual só há um candidato não é uma paródia doentia do conceito de democracia, sabei igualmente que:

1. Um voto em branco ou nulo não conta contra a única opção;
2. Mesmo um candidato ou uma lista que concorra sem oposição precisa de um número mínimo de votos para ser eleito. Para além disso, o cargo não pode ficar desocupado. Isto deu azo a que, pelo menos uma vez, uma pessoa se tenha candidatado a determinado cargo sem oposição, mas a votação ocorreu num dia em que não havia muita gente no IEETA (não foi no DETI, mas ao lado...), já que as aulas já tinham acabado e os exames já pouco mais duravam, e que não tinha sido anunciado como tal (para variar). Como resultado, o candidato em questão "teve" que andar a telefonar a toda a gente que conhecia com o direito a votar, a pedir-lhes que viessem extraordinariamente ao campus, alguns já em férias, para lançarem o seu voto, caso contrário... ninguém sabe bem o quê, já que não havia adversário que ganhasse nem o cargo podia ficar vazio... Democracia!

Pax vobiscum atque vale.

* - Antes que alguém se lembre de dizer que não, que a Rússia e o Putin andaram a roubar as passwords do Facebook da Hillary e a viciar os resultados, só para outrem o/a lembrar de quem é que foi o primeiro a afirmar que aceitava, sem contestar, os resultados das eleições, guardemos essas conversas para proeminentes fóruns políticos como sejam o Twitter, o Instagram, o Facebook e o /pol/ e vamos antes discutir assuntos sérios.

** - Aceito sistemas de voto múltiplo, como o voto único transferível, por exemplo. Procurem no Youtube, no canal CGP Grey***, por "Single Transferable Vote".

*** - Claro que recebo uma comissão por cada clique nos vídeos do canal; não se está mesmo a ver que sim...? Ninguém se lembre de ligar o ABP!

**** - Escusam de me dizer agora; continuo a não saber, mas também já não interessa...

***** - Isto passou-se: em determinado ano, um aluno mais velho, membro de uma lista, acusou a lista rival, que se mantinha largamente a mesma desde o ano anterior, em que tinha sido eleita, de não ter cumprido as promessas que tinha feito durante a campanha, omitindo convenientemente o facto de, no ano anterior, ele próprio ter feito parte da associação de estudantes. Esse colega veio a estudar em Aveiro, em ECT.

****** - Se calhar acham que está aqui uma simile muito engraçada de um "proto-deputado", que quer é o tacho na Assembleia da República e não faz a menor ideia sequer do que é que devia estar a fazer, e que é por isto que as escolas fazem mal à democracia. Mas não é só...

Humanos e macacos no mesmo hotel

"No meu tempo não era nada assim" é uma frase que me ocorre com as notícias dos estudantes portugueses.
E no entanto é uma frase que não corresponde inteiramente à verdade.

Defendo a opção dos estudantes portugueses irem fazer merda à vontade para um hotel em Espanha.
E defendo o direito do hotel em expulsar os estudantes portugueses e procurar compensação por vias legais.

Hic, hic sunt in reddere

2017-04-01

Microsoft ♥ Linux

O título é click-bait :)
 
Como poderão saber, estou agora a trabalhar com a stack Microsoft, nomedamente C# e Windows.
Apesar de continuar a ser fã de tecnologias open-source e da ideologia Free Software, o facto de ter menos tempo livre e necessidade de entregar, bem como alguma desilusão com o ecossistema open-source, aliado a oportunidades de emprego que surgiram com a stack Microsoft, fizeram que me tornasse mais entusiasta da Microsoft que o era.
 

 
O que eu gosto do open-source e software livre, como developer:
Gosto de poder usar a source;
Gosto de poder colaborar em plataformas comuns, não havendo necessidade de reinventar a roda;
Gosto de não haver à priori uma incompatibilidade, no caso do open-source, com uma fácil comercialização do software, especialmente quando o codigo open-source que se usa tem licenças permissivas (p.ex., LGPL).

O que eu não gosto do open-source e software livre, como developer:
Não gosto do modelo atual como developer são as situações em que o factor de escolha do software aparenta ser unicamente o custo. Já ouvi historias de uso de dbus pré-históricos, e outras stacks de software desatualizadas. Nestes casos - não importa quao injusta seja esta comparacao - dêem-me software proprietario a qualquer momento. Ao menos é claro que querem que eu trabalhe com um Fiat 127 e que não é suposto mudar o motor por mim mesmo.

A verdade é que depois de comecar a usar o Visual Studio à séria, ainda reparei noutra coisa: a maior parte das stacks já são opensource, e, enterprisely speaking, há possibilidade de forks bem sucedidos.
É possível, claro, a possibilidade de isto ser wishful thinking e racionalização .

Isto é a minha visão como developer numa empresa com um certo número de programadores.



Do ponto de vista de utilizador, está tudo a ficar uma grandessíssima treta.
Microsoft e Google aplicam uma nova versão da lógica opencore.
P.ex., Chromium e Visual Studio Code são opensource. Mas os únicos executáveis que são praticos de encontrar são closed source: são o código opensource mais uns pedaços de código pirilimpimpim.

Assim, mesmo em distribuições de Linux, como Fedora, torna-se dificil instalar Chromium. Em Debian e Ubuntu parece ser fácil. Mas em Debian as extensões estão desactivadas, e honestamente já nem quero dar-me ao trabalho de tentar perceber o porquê.

O melhor sistema operativo para usar de um ponto de vista prático, é o Windows. É uma treta, mas ao menos sabemos mais ao menos o nivel de treta que é, e com o Windows Subsystem for Linux (WSL) temos uma pitada de Linux. Se não quisermos usar WSL, temos sempre Cygwin, que é compatível com aplicações gráficas, ao contrário do WSL.


 
PS: quanto ao título, acredito que a Microsoft ♥ Linux, dado que Linux lhes permite cimentar a posição deles no mercado a nível de Azure e sistemas Hyper-V.

Mudança de theme

Curiosamente, a Google continua a investir no Blogger. Confesso que a minha expectativa era que fosse a vítima seguinte de redução de serviços da Google.

A última coisa que a Google fez foi criar novos temas para o Blogger.

Como o template antigo estava algo pesado, resolvi experimentar um dos novos temas.

Dêem o vosso feedback, por favor.

2017-03-23

Frozen - Uma crítica

O "Frozen" saiu em 2013 (há já quase 5 anos), é dedicado a uma demografia que não nos inclui especificamente e, excepção feita aos de nós que têm filhotes e filhotas pequeninos, não deiva ser assim muito interessante...

... mas eu acho que é!

Antes que surja o comentário "ainda agora!?" ou "já vens tarde para essa festa", eu não vi o filme só esta semana (mas confesso que o vi mais vezes esta semana que desde 2013 até então) - vi-o, pela primeira vez, só em 2014 ou '15 (já foi para o tarde...), mas desde então que é o meu filme da Disney favorito (também ainda não os vi todos...), e recordo que isso inclui os filmes da Marvel de cerca de 2012 para cá (o que inclui muitas coisas giras!).

Sucede que o "Frozen" tem, no meu entender, uma série de "mensagens" ou "morais da história" que eu acho fantásticas não só pelo seu teor, mas também por irem tão "contra o grão" do que é costume nos filmes da Disney. A saber (e dividido por personaem):

Olaf:
 - Não se levem demasiado a sério. Não vale a pena.
 - Vede sempre o lado positivo. Não é a imagem completa da situação, mas é mais agradável que a alternativa. Não vos esqueceis é de ver o resto também!
 - Tende cuidado com os vossos sonhos. Em menos de um fósforo se tornam pesadelos cor-de-rosa.

Wandering Oaken:
 - Ser simpático não implica, necessariamente, ser um capacho. Sede cordiais com toda a gente que não vos chame de bandido (ou outras coisas na mesma veia), e arremessai com o resto de volta para a intempérie - é mais que o que eles merecem.
 - A intransigência só vos leva até certo ponto, mas, ao menos, leva-vos a algum lado. Podeis sempre mudar então.
 - Peixe marinado em soda cáustica não é boa ideia (isto não decorre directamente do filme, mas é um bom conselho, dê lá por onde der...).

Kristoff:
 - Se estais bem conforme estais, não mudeis por causa de mulher (ou homem) bonita (/o) nenhuma (/nenhum). Nem todas podem ou querem repôr o trenó que vos custarem.
 - Mais vale falar com uma rena que dar em maluco, mas, se a rena vos responder, uma coisa pode não ter invalidado a outra.
 - A família não se escolhe, mas os amigos sim. Não tenhais medo de serdes vós mesmos a ditar quem é ou não é importante para vocês.

Elsa:
 - Se fordes extraordinários, não vos faz bem nenhum fazerdes-vos passar por vulgares.
 - Recalcar medos, sentimentos e ansiedades não os suprime; só adia a sua incidência para quando não fordes capazes de os deter. Lidai com eles hoje. Agora. Já!
 - Se tudo e todos vos fazem da vida um inferno, mandai tudo e todos a determinada parte e recomeçai. Bastando que aprendeis de umas vezes para as outras, correrá sempre melhor que antes.
 - Às vezes, sem querer, magoamos as pessoas de quem mais gostamos, mas, se mostrarmos que estamos realmente arrependidos, elas perdoam-nos. Se não, "let it go"; estais melhores sozinhos.

Anna:
 - O príncipe encantado é uma fraude.
 - Por mais moralmente bons que sejais, os inescrupulosos não se ensaiam nada em explorar a vossa bondade, inocência e ingenuidade. Desconfiai.
 - O amor fraternal é mais interessante que esse ópio do amor romântico.
 - "Bros before hos" também vale para as senhoras. A mesma luz alumia a primeira "moral da história" desta personagem.
 - Mesmo as pessoas que vos são mais próximas têm direito aos seus segredos. Deixai-las guardá-los.

Marshmallow (é o único nome dado (e pelo Olaf) ao "golem" de neve que a Elsa conjura, e tendes de ver a cena "escondida" depois dos créditos para entender):
 - Não interessa o vosso aspecto, função, propósito ou as condições do vosso nascimento: tendes o direito a ser felizes e não permiti a ninguém sequer achar que tem o direito de vos julgar pelo que vos faz feliz (e ainda menos que outrém dite o que é que pode ou não pode fazer-vos felizes).

Bem, agora acho que tenho de criticar o filme pelos seus méritos enquanto filme. Assim sendo:

Esteticamente: a animação está muito boa e a linguagem visual do filme é consistente e agradável. É interessante que os animadores e demais artistas tenham conseguido criar personagens atraentes e mesmo algo sensuais sem as sobre-sexualizar. Contrastai com Ariel ("The Little Mermaid"*, 1989) ou Jasmine ("Aladdin", 1992) que passam a maior parte dos respectivos filmes com os braços, ombros, e umbigo desnudos (o que também não quer dizer que devessem andar de burqua). Se não fossem as cabeças deliberadamente "gigantes" para as tornar mais apelativas às camadas mais jovens, que talvez respondessem menos entusiasmadamente a um estilo gráfico mais realista (recordai o "fracasso" comercial do "Pocahontas", 1995, que, para além de respeitar mais aproximadamente as proporções do corpo humano e ter uma história mais apelativa a mais camadas etárias e ter números musicais aproximadamente igualmente aclamados que "The Lion King", 1994, com o qual foi produzido e lançado mais ou menos em simultâneo, ficou muito aquém deste último, que o superou em toda a linha comercial (i.e., dinheiro auferido em bilheteira, vendas de vídeo doméstico e merchandising)), não teria sequer o argumento de que tanto a Elsa como a Anna têm cinturas mais estreitas que os próprios crânios. No entanto, as mesmas cinturas são perfeitamente proporcionais aos respectivos ombros e ancas (contrastantemente, tanto a Ariel como a maior parte das princesas mais antigas (e.g., Aurora ("Sleeping Beauty", 1959),  a titular Branca de Neve (1937), Ella** ("Cinderella", 1950), Belle ("Beauty and the Beast", 1991) e mesmo a própria Pocahontas) têm cinturas impossivelmente estreitas, mais características da Barbie original (que, caso vos tenhais esquecido, tinha sido modelada com base numa boneca sexual insuflável da era) que de uma mulher). As cores são escolhidas judiciosamente e muito bem empregues.

Elenco: Esta secção é um bocado "injusta", na medida em que, num filme de animação, parte do mérito que, num filme live action, seria atribuído aos actores é relegado para os desenhadores e animadores. Para além disso, quando a responsabilidade de "casar" o som com a imagem é aliviada pela natureza disjunta dos dois, a possibilidade de melhorar o desempenho dos actores através de meios desrelacionados dos mesmos aumenta (e nenhum de nós é suficientemente naïf ao ponto de julgar que a Disney não tiraria partido deste meio). Dito isto, tenho que gabar o actor Josh Gad (Olaf) pela inexorável "boa onda" que confere à sua personagem. Kristen Bell é quem mais "fala" e canta, e faz ambas muito bem, criando uma voz e uma entoação muito expectáveis da sua personagem (assumindo que nenhuma qualidade foi forjada no crucíbulo dos editores de áudio do Tio Walt). Idina Menzel (Elsa), apesar de ter menos "tempo de antena", não fica atrás da precedente em nenhuma das duas capacidades, chegando mesmo a superar (em minha opinião) Bell enquanto cantora (o que, dados o historial e a formação das duas actrizes, só no caso inverso seria surpreendente). Acrescento ainda que, durante as falas em "solfejo rezado", Menzel emprega uma voz muito pouco característica de um desenho animado (pelo que quero dizer mais sóbria e mais realista), mas que resulta muito bem (apropos, e porque, como sabeis, eu gosto de trivialidades, foi essa característica que auferiu à actriz Mila Kunis o papel da voz de Meg na série "Family Guy"). Jonathan Groff (Kristoff), cuja personagem, para além de falar por si mesma, "fala" pela sua rena numa voz algo diferente da sua, faz exactamente o oposto quando "dá voz" ao Sven, e o mesmo também resulta muito bem. Os demais não fazem nada de errado, mas não têm tempo de se "destacar", com excepção de Chris Williams (Oaken), que conta com mais acreditações enquanto escritor, realizador ou animador que enquanto actor (e, mesmo assim, faz um papelão, ainda que pequenino).

Música: Não seria um filme da Disney sem umas cantigas pelo meio. As deste filme contam com a característica invulgar de term sido todas escritas e compostas pelo mesmo casal no mesmo dia. Desta forma, todas têm certas semelhanças melódicas, mas não o suficiente para o filme "soar todo ao mesmo" (esta expressão aprendi-a de um sonorista freelance com quem trabalhei este ano e a quem mando um grande abraço). Liricamente, este processo invulgar não deixa de causar os seus "estragos"; nomeadamente, "door" rima com "any more" não menos de 5 vezes durante todo o filme e, no número mais afamado ("Let It Go"), a letra da ponte é um bocado "duvidosa" (desculpem, mas, por mais inteligente que ache incluir "fractals" e "crystallises" numa música cantada por uma criomante, já que o gelo forma cristais que, frequentemente, exibem geometria fractal, "My power flurries trough the air into the ground / My soul is spiralling in frozen fractals all around / And one thought crystallises like an icy blast"*** não me convence enquanto letra de uma músca; é exposição a mais, no meu entender). Mas a parte instrumental é impecável.

Enredo: Passei metade do post a dizer que é bom; que mais querem!?

Em resumo: Se ainda não o viram, o mais provavel é também já não o verem, mas podia dar-vos para pior.

"Leitura" relacionada:




Mas a grande questão que está ainda por responder é: Por que diabo havia de criticar um filme com quase meia década, do qual já se disse mais que tudo o que havia para dizer? Simplesmente porque, a não ser que se descubra algum buraco recôndito onde ainda não se descobriu o Frozen (o que não é completamente impossível, agora que se fala mais ou menos a sério de colonizar Marte), já mais ninguém deve publicar críticas deste filme, de maneira que talvez seja esta a última crítica do Frozen de sempre. Se assim for, lembrem-se do meu nome (se quiserem). Em todo o caso, também já quase ninguém cá pára para reparar na irrelevância do post e eu gosto é de escrever (não só código, caso não seja evidente).

Falta dizer que certas pessoas envolvidas na produção do filme, nomeadamente Jennifer Lee, que co-escreveu a história e o guião e a actriz Idina Menzel (creio) gabaram o filme como sendo um filme algo "feminista", por ser protagonizado por duas personagens femininas e não cair no estereótipo da princesa que, assim que conquista o príncipe encantado, vive feliz para sempre (mas acho graça a que continue a tradição de substituir o que, num filme para uma audiência mais adulta, facilmente seria, digamos, uma queca, por uma canção. Se achais que estou enganado, procurai e lede muito bem, à luz desta revelação e das suas posições nos respectivos filmes, as letras das músicas "Colours of the Wind" ("Pocahontas"), "A Whole New World" ("Aladdin") e "Can You Feel The Love Tonight" ("The Lion King")). Nada contra, mas estou convencido que, por cinco escudos e um Toblerone, a Anita Sarkeesian fazia um vídeo de 15 minutos no Youtube a dizer que o filme é um produto da patriarquia misógina guiada pelo olhar masculino que pretende objectificar e oprimir todas as mulheres do mundo para sempre e é pior que literalmente o Hitler. Por outro lado, só o há de fazer em 2127, quando já tiver falecido de causas naturais, e ninguém desconfiará de assassinato para impedir que essa cabra miserável me roube a glória de ter sido o autor da última crítica de sempre do Frozen... Ahem, quinta emenda, por favor...

Pronto, agora já só falta mesmo o

Pax vobiscum atque vale.





... e os asteriscos:

* Sim, é dizer o mesmo que "A Pequena Sereia". Sim, é um bocado pretensioso usar os título em inglês no meio de um texto em português quando todos os envolvidos sabem perfeitamente quais são os seus equivalentes. Mas eu tenho um fetiche em particular por títulos originais. Deal with it.

** Sim, o nome da protagonista em todo o filme é dado como "Cinderella", mas a história só se chama "Cinderella" porque, nos países anglófonos, "cinder" refere-se às farripinhas ardidas que as fagulhas deixam e que recobrem quem se aquece junto de um borralho (e agora sabeis, se não sabieis antes, como de "Cinderella" chegamos a "Gata Borralheira") e que, no período em que se passa a história, eram uma "marca" de pobreza ou de servidão. Justaposto com o nome próprio "Ella", chegamos a "Cinderella", cujo título original, em italiano, é "Cenerentola", que resulta da justaposição de "cenere" com o diminutivo "Tola" da personagem principal, "Zezolla". Por isso, escolho usar o nome "Ella" para me referir à personagem e "Cinderella" para me referir ao filme ou ao conto. Deal with it.

*** Se voz faz impressão não dizer que ideia é que cristaliza como uma rajada gélida ou se simplesmente vos incomoda que não acabe a rima, "I'm never going back, the past is in the past", mas não tenho nada contra este verso.

2017-03-13

Foda-se a bófia!

Os meus estimados colegas e amigos, por ventura de serem pessoas que (e disto certifiquei-me pessoalmente junto de cada um de vós ao longo de vários anos) não são suficientemente idiotas para serem agentes da PSP, já perceberam, pelo vernáculo, que não estou no meu estado de espírito "padrão".

Talvez saibam que estou à procura de emprego. Acontece. O IEFP (que, adianto, omite, do seu título, a parte "de quem cá trabalha" de entre a segunda e tercera inicial da sigla pelo qual o conhecemos*) confere-me a benesse de me ajudar com um subsídio mensal. Longe de me querer queixar da generosidade do IEFP, sucede igualmente que o mesmo subsídio cobre pouco mais que a minha renda de casa, chegando, mais ou menos, para as despesas fixas necessárias à subsistência (falo de água, gás, electricidade e telecomunicações, que, ainda que possais achar que é um luxo, é igualmente indispensável à procura de trabalho, sobretudo na nossa época e na nossa área funcional). Assim sendo, muito grato pela ajuda, conto os meus tostões e estico o dinheiro o mais que posso enquanto procuro uma situação melhor.

Acontece igualmente que a benesse que me vai permitindo subsistir, apesar das dificuldades, está sujeita a abuso por indivíduos que, inescrupulosamente, se deixam perdurar nesta situação e mesmo que procuram alegar incumprimento por parte do IEFP, revindicando não ter, em determinada ocasião, recebido o que o IEFP, humanamente e quase por caridade, lhes atribui, pelo que se protege, emitindo mensalmente um cheque, que é mais difícil de contestar, omitir ou suprimir que uma transferência bancária, o que me obriga** a depositar o cheque de cada vez que o recebo. Mas não é disso que me queixo.

Ora hoje fui depositar o cheque deste mês. Procurei lugar para estacionar perto da balcão do meu banco, o que não é fácil, não só porque o mesmo está em pleno coração da chamada "zona pedonal", onde os automóveis perdem prioridade perante qualquer peão sob qualquer circunstância e onde há ainda menos sítio para estacionar que no resto desta mal-parida terra onde NUNCA HÁ ONDE DEIXAR A MERDA DO CARRO!!! Reparei num automobilista que, tendo estacionado antes, ocupou o seu veículo e partiu, deixando vago o lugar onde estava. Naturalmente, ocupei o mesmo espaço.

Celeremente resolvi os meus assuntos no banco (depositar um cheque não demora sequer 20 minutos) e quis seguir a minha vida, quando reparei que tinha sido multado. Caso nunca tenhais sido multados, sabei que a multa não diz rigorosamente nada que não se já saiba: diz a marca, modelo, cor e matrícula do veículo (que, se o veículo vos pertence, já deveis saber), a data da infração e um rabisco que passa pela rubrica do agente que autuou o veículo, desprovido de qualquer obrigação de ser legível. Saliento que o impresso que vos é deixado no pára-brisas tem muito mais lacunas, mas, aparentemente, não existe qualquer obrigação por parte do agente de as preencher.

Por sorte, encontrei uma agente da PSP que revelou uma atitude extremamente blasé perante a multa, como se as obrigações legais "expostas" (lacónicamente como estão, não acedo a considerá-las devidamente expostas) no verso da notificação não existissem. Se se tivesse tratado de uma pessoa honesta (como seria de esperar de uma agente da polícia), ter-me-ia dito ter sido ela quem me autuou e explicado as condições da infracção (aproveito para a explicar, que agora me apercebo de que ainda não o fiz: estacionei em cima do passeio. Em minha defesa, o passeio não apresenta diferença de nível em relação à estrada, nem nenhum padrão que não se encontre fora das estradas ou zonas de estacionamento (faço toda a questão de insistir nesta questão, uma vez que, logo do outro lado da estrada, havia um estacionamento em espinha cujo piso é exactamente igual) nem sinalização que o diferencie do demais pavimento. Ademais, certifiquei-me de que não só não havia mais sinalização da proibição de parar ou estacionar como também de que o carro não impedia a circulação de outras viaturas nem de velocípedes nem de peões, mesmo os de mobilidade reduzida, nem impedia o acesso à via ou a vias de acesso ou caminhos privados nem a abertura de portas, janelas, portões ou portinholas de outros veículos; em suma, NÃO ESTAVA A ESTORVAR NINGUÉM), mas não; mandou-me ou ir à esquadra ou "deixar que me chegasse a casa". Fui, portanto, à esquadra.

Na esquadra fui atendido por um agente a quem expliquei que, por não ter incomodado ninguém, necessitando apenas de depositar o meu único e magro rendimento, tinha sido deprivado de €30. Para que conheceis o contexto, há já quase dois anos que vou ao Continente mais ou menos uma vez por semana, e que semana em que lá deixe sequer €30 é semana em que ou perdi a cabeça e me deixei enamorar por qualquer luxo superfluo ou uma desgraça me obrigou a substituir qualquer coisa cara. Este agente só depois de muita insistência concordou em informar-me do processo de contestar uma multa que se acha injusta. No entanto, apesar da sua boa vontade, o agente empregou todos os polissílabos do dicionário de sinónimos para dizer rigorosamente NADA, pois, como sabeis, não se pode dizer o que não se sabe. "Envie uma carta" e "explique isso tudo muito bem" é a parte que qualquer idiota lobotomizado com um picador de gelo rombo por um macaco cego cujas patas brutas e sujas tremam já sabe; a quem enviar a carta, como a redigir, e quais as informações indispensáveis à mesma são a parte que eu quero saber e que o agente que me atendeu não foi capaz de me dizer. O que me disse, e não foi só uma vez de passagem, foi "vá falar com a Comandante", que era a agente que me tinha autuado. Assim fiz.

Aparte, deixai-me contar-vos uma outra história, a bem do contexto: certo dia, em Viseu, seguia, na capacidade de passageiro, num veículo que, por lapso, trazia o farol de nevoeiro traseiro ligado indevidamente. O condutor do mesmo foi mandado parar pelos agentes da autoridade, e terá a sua própria história para contar dos demais eventos, mas eu, que não tinha feito rigorosamente mais nada que sentar-me no carro de um amigo meu e imediatamente oferecer o meu cartão de cidadão perante a frase "tem algum documento que o identifique", fui tratado como um escroque, ofuscado, desnecessariamente, numa tentativa de intimidação, com lanternas, repuxado para fora do meu lugar e ameaçado de que seria revistado antes sequer de alguma sugestão de que tivesse, em minha posse, "alguma coisa que o comprometa" (sic), que, claramente, não tinha. Ou seja, se viveis na doce ilusão de que "o polícia é um amigo" que só serve para nos proteger e não faz mal nenhum a pessoas de bem e que as histórias de polícias a bater em pessoas que "dindu nuffin" são relatos exagerados de criminosos que se querem fazer passar por inocentes e coisas que acontecem "lá longe", desenganai-vos; há, entre as fileiras da nossa PSP, proverbiais maçãs podres.

Armado com esta memória, fiquei extremamente feliz de ver que a comandante não trazia um casse-tête, como era hábito há uns 20 anos, porque, da maneira como me tratou, tive sinceramente medo que me quisesse bater, assim que lhe disse que um colega dela me tinha recomendado que falasse com ela. Exigiu saber quem tinha sido e recusou-se a falar comigo até ter tentado, de duas maneiras diferentes, falar com o agente em questão, que, talvez por medo que a comandante lhe batesse por telefone (provavelmente, confundiu-a com o Chuck Norris. Deve ter sido por causa da barba), não atendeu. E, tão preocupada que estava em tratar-me mal, recusou-se a revelar um iota que fosse de informação respeitante ao processo de contestar a multa. Igualmente se recusou a ouvir qualquer argumento mitigante da minha culpa. Posso, em toda a honestidade, dizer que não fui grosseiro, nem mal-criado, nem agressivo, nem insistente, sobretudo porque, quando percebi que, na PSP, a patente é inversamente proporcional a qualquer medida de virtude, fui-me embora antes que ela abaixasse as calças e revelasse um casse-tête fora do padrão da PSP com o qual me bater, em conformidade com a atitude que tinha vindo a revelar.

Enquanto voltava para a esqudra, onde tinha estacionado (desta vez, em situação tal que não fui autuado), um outro agente da PSP, que reparou no meu estado de agitação (reparem que agora não sei se vou ter que comer daqui a 15 dias; €30 é dinheiro para mim, foda-se!) e abordou-me. Este agente da PSP, conforme evidenciado pela falta de divisas no seu uniforme (e, consequentemente, pela sua baixa patente), era um homem correcto, que procurou reconfortar-me e dizer-me, em termos simples e de acordo com o seu melhor conhecimento, como contestar a multa, o que só serviu para para introduzir mais possibilidades na equação, já que nada do que ele me disse se coaduna com o que o colega da esquadra me tinha dito. E isto não é uma acusação contra qualquer um dos dois agentes; é sintomático da balbúrdia que é o pomposamente chamado "establecimento da autoridade", em que a mão direita não sabe o que anda a esquerda a fazer.

Esta é a parte em que digo alguma coisa como "o que mais me fode é que todos os dias vejo filhos-da-puta mal estacionados e ninguém os multa" ou "e os cabrões que todos os dias deixam o carro no estacionamento do meu prédio a ocupar dois lugares?" ou mesmo "então, o gajo antes de mim, nada; agora, eu...", mas não; o que me fode é:

1. Ter sido tratado como um criminoso pela Comandante;
2. Que ninguém me saiba dizer, em termos claros, o que é que eu tenho O DIREITO a fazer;
3. Os pontos da carta; OK, pronto; as contra-ordenações ligeiras não acarretam perda de pontos nem inibição de atribuição de pontos em Junho de 2019. Menos uma irritação. Huzzah!
4. €30 É DINHEIRO, FODA-SE!!!

Agora que me aproximo do fim da minha intrevenção, recordo-me que pode haver entre vós, leitores, quem não esteja contemplado pelo primeiro parágrafo desta posta. Entre esses, pode surgir quem tenha, nesta altura, vontade de comentar, chamando-me "bitch", "whining bitch" e variações. Apelo, portanto, à coragem e decência de tais dissidentes que, contra confirmação da ausência das vossas gónadas, tanto em sentido literal como no sentido em que, metaforicamente, estas se traduzem no vosso valor enquanto indivíduos, por oposição a vis e vulgares pilhas de esterco, que guardeis tais comentários até estardes em posição de mos entregar em pessoa, cara a cara, suficientemente perto de mim para me apertardes a mão, conforme soi aos membros educados de uma sociedade moderna. Se, por outro lado, não for essa a vossa intenção ou, mais simplesmente, se fordes, de facto, dos meus estimados colegas e amigos, fica este parágrafo sem efeito.

É esta a parte em que digo "pax vobiscum atque vale", mas, hoje em particular, escolho uma mensagem mais recente, vinda de outras terras, que considero mais relevante:

Fuck tha police!*** -- N.W.A.

* quero, por isto, implicar que se trata do "Instituto do Emprego de quem cá trabalha e da Formação Profissional", porque não conheço, que saiba, uma única alma que possa dizer que deve o seu emprego ao IEFP sem lá trabalhar.

** de acordo; podia pedir ao IEFP que me fizesse a transferência ao invés de enviar um cheque. Está na minha lista de afazeres. Escusais de mo recordar, mas obrigado na mesma.

*** sabeis que, geralmente, não tenho nenhuma má vontade aos agentes da autoridade ou ao estabelecimento da mesma, mas a caracerística inalienável da Polícia é zelar pelo bem-estar dos cidadãos, e privar-me, no meu momento de dificuldade, no valor de mais de uma semana de víveres não é em prol do meu bem estar. Desta forma, foda-se esta bófia que só serve para nos foder.