2016-03-07

"mas"

Há um certo elemento libertador em postar num blog "às moscas". Sinto que posso escrever o que quiser que não me vireis pedir contas. Podia fazer a afirmação mais controversa de que me lembrasse, ou mesmo inventar uma descarada e inverosímil mentira, ou, quem sabe, jurar a pés juntos que batata, excepto se parafuso parafuso parafuso parafuso pasta de dentes.

(Uma linha de intervalo)

Bem, vamos lá passar adiante, antes que venham por aí os Monty Python ordenar o mesmo.

Diz a sabedoria popular que "não há bela sem senão" nem "rosa sem espinhos", e, sinceramente, não acho que seja derrotismo aceitar o mesmo como um dado adquirido (derrotismo seria, porventura, privarmo-nos do estoicismo com o qual aceitamos o facto sem o ver, necessariamente, como uma "derrota" - aliás, o Nietzsche dizia que se deve achar essas contrapartidas "belas" e apreciá-las como às demais coisas boas da vida. O Nietzsche às vezes também era um bocado parvo... mas nem sempre).

Voltemos, portanto, ao "mas", essa belíssima conjugação que acompanha todas as alvíssaras, louvores e elogios.


"Fulana Assim-Assim é uma miúda espectacular, e quem me dera ter mais amigas como ela..."

MAS!

"... o namorado dela é um alcoólico imoral."


"Fulano Taltal tem uma perspectiva avassaladora sobre uma data de coisas, e tenho conversas extremamente estimulantes com ele..."

MAS!

"... o melhor amigo dele é um asno insuportável."


"Este emprego que comecei há menos de uma semana é impecável e paga rios de dinheiro..."

MAS!

"... o estafeta do escritório tem um hálito, na melhor das hipóteses, nauseabundo."


"A minha mãe trata-me como um príncipe e está sempre a ver quando é que eu preciso de alguma coisa..."

MAS!

"... o filho dela, para além de feio e socialmente incapaz, está a perder o cabelo."

(algumas destas situações são puramente hipotéticas).

A pergunta que vos deixo aqui hoje (deixo-a aqui para não se estragar, que não me parece que alguém cá venha mexer-lhe) é "como lidais com os "mas"?" É que, ultimamente, "paciência", que era a minha solução por omissão para estas pequenas contrapartidas da vida, parece revelar-se insuficiente.

Pax vobiscum...
MAS!
... atque vale.

8 comments:

neca said...

No mas, not even half Mas. (nem mas, nem mas)

Anonymous said...

Se não os podes vencer, junta-te a eles

ArabianShark said...

Típico: celebra-se a inactividade de um blog por onde não passa ninguém desde o mês anterior e, em menos de 24 horas, logo 2 comentários :P (é assim mesmo, camaradas!)

Portanto, por ordem:

Neca, eu diria "neither mas, nor half a mas", mas é o mesmo sentimento.

Anon, antes de mais nada, espero que te não importes que te chame "Anon". Está bem que ainda não deixo de fazer a menor ideia de quem tu sejas há pouco tempo, mas, nos segundos que decorreram desde que li o teu comentário, sinto que desenvolvemos familiaridade suficiente para podermos tratar-nos um ao outro por alcunhas e diminutivos. Como gesto de boa vontade, declaro, em fórum público, que não me importo que me chames "meu lorde, mestre e senhor", que, de resto, é uma alcunha de infância. Em relação ao teu comentário, sugeres, por ventura, que me torne um asno bêbado, insuportável, imoral, gordo, calvo e deixe de usar fio dental (agora diz-se "dentário", ouvi dizer, para não confundir a tropa que, de outra forma, julgaria que eu estava a propor passar a usar boxers)? É que eu não sei se consigo deixar de usar fio dental...

Sintra said...

Epa, ha muita vida para viver, muita experiencia para experienciar e muita gente diferente para conhecer, para ter de aturar esses MAS.

Vou referenciar os teus casos e dizer o que eu faria.
1 - Namorado alcoolico? Simplesmente nao me iria encontrar com ela. Se fosse num ambiente social e a visse, era capaz de cumprimentar e falar um pouco. Mas depois ia a minha vida.
2 - Fulano impecavel mas amigo insuportavel? Semelhante ao exemplo de cima, mas era capaz de me encontrar a sos com o fulano.
3 - Emprego impecavel, mas colega com halito horrivel? Evitar colega. Fazer nenhum "small talk" para alem do bom dia.
4 - Mae fixe, mas filho feio e socialmente incapaz? Lembrar ao filho que beleza pode sempre ser melhorada e socializar eh algo que pode ser treinado.

ArabianShark said...

Antes de mais nada, deixai-me salientar que ainda este ano não tinha havido post com tantos comentários, mesmo depois de tirar os meus. Por outro lado, não estou a competir com ninguém...

Agora, Sintra, esses exemplos não reflectem nenhuma situação em concreto; são arquétipos que (já) não precisam de solução - excepto o 4º; esse foi a minha DDR de self deprecating humour (eu não sou assim tão feio e passo facilmente por um sociopata altamente funcional... regra geral).

Sintra said...

Sim sim, eu percebi logo. So estava a dar exemplos de como eu lido com situacoes semelhantes.

Sociopata altamente funcional... Sherlock???

ArabianShark said...

... Watson.

Pedro Francisco said...

Para conversas, por favor marque: https://discord.gg/0jGG3jODurOVGlD0 (válido 24h).

Para comentários, por favor marque 3.

A sua chamada será gravada para fins legais. Caso discorde, desligue.

Não tendo lido os outros comentários ainda: ninguém te obriga a lidar com o mas. Mas, se tens, então tens de tomar uma decisão relativa ao que está antes do mas. Pode ser uma decisão só para ti e não a comunicares a ninguém, mas terás de a tomar.