2012-10-29

Dwarf Fortress: Ano II, de caça a caçados

Posts anteriores:

  1. Dwarf fortress: a recruta
  2. Dwarf fortress: preparação
  3. Dwarf fortress: ano I
  4. Arabian vs Troll

Deve ter corrido pela dwarfweb que este forte estava a dar comida e bebida de borla, porque os imigrantes não param de chegar. Temos no inicio do ano II, 43 anões como se pode ver:


Para ajudar à festa, o Knight4 Dolushtinhad decide convocar uma festança quando descobrimos o nosso primeiro veio de ouro puro:


Cabe agora tomar a decisão:
  • Ignorar o ouro e continuar a procurar por metal, de modo a se poder formar uma guarda armada
  • Ignorar o metal e fazer tudo o possível para utilizar o ouro em bens de utilidade pública (tal como a porta de ouro do quarto do Knight4, ou o bau de ouro do quarto do Knight4, ou a estátua de ouro puro que representa o Knight4, ou....)
Óbvio que este grupo opta pela segunda opção. A festança é tanta que Pedro Dedukning faz o nosso primeiro artefacto, um brinco de carvalho, pele e diorite, que vale nem mais nem menos que 48 bigornas iguais à que trocámos no ano I. Chama-lhe Sacat Tulon, " o ponto das estradas". WTF, tenho de cortar a dose de cerveja a alguns anões tá visto....


Entretanto, já inicio de outono, temos a primeira criança dwarf nascida no forte (uma das imigrantes recentes veio vinha já grávida) e encontramos uma caverna perto do nível -40. São boas notícias, pois esta caverna tem um lago de água límpida, que eu rapidamente aproveito, fazendo um poço no nível -37 que, usando cordas , roldanas e um balde, consegue então criar condições para termos um hospital a funcionar (não se podem limpar feridas com rum....ainda). Os imigrantes trazem consigo também uma série de galinhas, patos e porcos, então é decidido utilizar o solo da caverna (rico em fungos e ervas) para alimentar este gado e conseguir uma fonte renovável de ovos, leite e carne. Fantástico não?

Não.


Estava a meio caminho de construir uma muralha de granito à volta do local onde os animais pastam, quando aparecem trolls e um ogre que trucidam tudo o que está no caminho. Coloco em pânico um porta de pedra no caminho que dá para a caverna, mas um dos trolls passa.... Mr. Arabian tem a luta que já conhecem, ficando com um pulmão perfurado, mas perco 3 outros anões, incluindo um dos recém nascidos (nasceram outros 2 entre tanto). Consigo fechar com sucesso o caminho para a caverna, fazendo colapsar o túnel  mas ficam dwarfs ainda vivos do outro lado....

O chão onde se travou a luta é dantesco...


O ano acaba com mais imigrantes a chegar, chegando a fortaleza a ficar com 64 anões, mas o moral é baixo, os familiares dos mortos perto da depressão e\ou loucura, e o facto de não conseguirmos enterrar os mortos causa isto pela fortaleza, baixando ainda mais a moral:


Temos comida e bebida que chegue, mas precisamos desesperadamente de metais ou armas\armaduras. Se até à próxima caravana não tivermos encontrado veios de ferro decentes, teremos de vender o brinco do Pedro Dedukning para comprar equipamento militar.






7 comments:

Pedro Francisco said...

E lava pá? Se há diorite tem de haver lava, certo? :D

Peres said...

Diorite significa que já houve magma nas proximidades, provavelmente no passado distante, sim. Ainda tenho uns 150 níveis por explorar.

Hal said...

SWAG.
Acho que vou mudar de nome pra Golden Boy! Com alguma sorte fazia uma série sobre isso e tudo.

Also? Filmagens da mega-festa da fortaleza: http://i.imgur.com/66HU0.gif

Peres said...

Foi mais ou menos isso Hal, mas sem as pessoas sóbrias.

Peres said...

Ano III, 110 anoes, já temos um exército de 3(!) anões com equipamento de ferro (encontrei boa hematita). Relatório do ano brevemente. (Hal continua com festas permanentes na sala comum)

ArabianShark said...

Grande Hal!

E o lenhador, como anda o pulmão dele?

Peres said...

Falaste com grande eloquência. O Pulmão, e não pulmões, visto já só usar um :p Não o recrutei para os militares devido a essa ferida de guerra.