2009-09-05

A última gota

Aqui vos deixo a promoção ao jornal nacional de sexta feira que foi a última gota para a administração da TVI:


Vi a noticia sobre o caso freeport, e honestamente, até dá vontade de rir:

"Outro primo de socrates implicado em carta anónima"

Já não é o primo que estava no estrangeiro, já é "outro" primo, ou então era a mãe, ou o pai, o filho por nascer, e tudo isto por carta anónima. Quem não tem nada a esconder não tem medo de dar a cara. Já cheira mas é a noticias "fabricadas".

9 comments:

Halloween said...

Menos um cancro na TV! ^^

Claymore said...

Pois...

O que é mais incrível, é que as noticias eram claramente sensacionalistas, a informação era completamente deturpada e mesmo assim, eles continuavam a abusar e abusar...

Obviamente que mais cedo ou mais tarde, alguém lhes iria por travão...
Já para não falar, que eles provavelmente já não têm assim tanta audiência como isso... Obviamente que há verdades e "verdades"... e a TVI só conta as "verdades" que lhes interessa...

Pedro Francisco said...

Convenhamos, esta não foi a maneira bonita de eles acabarem, podem fazer papel de vítima.

Deviam ter tido em cima processos por difamação e perdido...

Sintra said...

Não interessa. Já não passam na TV e isso é bom.

João Gante said...

Tanta democracia que nem deixa respirar, por aqui...

Pedro Francisco said...

Explicita-te.

João Gante said...

Diabo, eu até enumero:

1. O estilo de apresentação - e de relato das notícias - de Moura Guedes e dos seus jornalistas é de facto acintoso e acirrado, também não faz o meu género;

2. Dito isto, somos todos capazes, se não nascemos ontem, de filtrar (não é ignorar) esse estilo, absorver e interpretar a real informação. Também existe um botão para mudar de canal.

3. Em minha opinião, a existir quebra da deontologia, ela existe apenas ao nível da dita apresentação. E eu não ligo propriamente a isso da deontologia. Se um jornalista é mau ou faz mal o seu trabalho de propósito, as audiências que o penalizem;

4. Porque não foi então penalizado o Jornal de 6ª? Não é exactamente, como se pensa e diz, por a "populaça" gostar do estilo de Moura Guedes. Não me lembro de ouvir uma única pessoa aplaudir as tiradas dela. O Jornal de 6ª manteve-se no topo porque era o único espaço informativo com cojones para investigar o caso político mais grave dos últimos anos em Portugal. Sublinhe-se esta minha última frase. Perante este caso, SIC e RTP (a RTP, então, foi de gritos) quedaram-se pelo relato. A TVI fez o que compete a qualquer jornalista digno desse nome. Investigou um caso de corrupção em que o Primeiro-Ministro está referenciado, perguntou, incomodou, escavou. Devia ser óbvio para todos que pegar neste caso ia sempre incomodar alguém, mas quem nos estraga a tradição de respeitinho e rabo por baixo do cóxis estraga-nos o dia;

5. A investigação da TVI foi - aparte a questão da apresentação - irrepreensível. Todas as informações estavam baseadas em elementos factuais que eram referidos;

6. Ignore-se tudo o que está escrito acima. A qualidade do Jornal das 6ªs não interessa para o caso. Ponto final. Podia ser vinte vezes mais acintoso que ainda seria um programa legal e jamais ser alvo (tal como o Público, em menor grau) das barbaridades que José Sócrates disse;

7. Sócrates, ao contrário do que se diz, não se pode defender "como cidadão" da maneira que os cidadãos normais o podem fazer. Foi para isso que lhe deram os votos, o poder - e, portanto, a responsabilidade. Para que esteja acima do comum comportamento, permitido a quem não tem cargos de responsabilidade. Um político - ainda mais um governante - não pode comportar-se como um bêbado ofendido e oferecer pancada ao bar inteiro;

8. Ao longo destes meses, Sócrates tornou público o asco que sentia pelo jornal das 6ªs. Mas fê-lo descendo ao nível a que ele punha esse jornal. Outra coisa que um político não faz. Usou frases como "Não mudem ninguém [na TVI]", "Não mudem a linha editorial" (as frases são neste sentido, mas estão aqui de memória, as palavras podem não ser exactamente estas) e mentiu de forma patética e tomando os portugueses por idiotas, que nem um puto no 1º cigarro, sobre o negócio da PT com a Media Capital. As intenções dele estiveram abertas a todos aqueles que Deus agraciou como olhos na cara e senso comum;

9. O fim do jornal de Manuela Moura Guedes é um dos piores - se não o pior - episódio anti-democrático desde o 25 de Abril. Pensem assim: desta vez foi a Moura Guedes. Qualquer dia pode ser alguém mais sereno mas que também critica a máquina governamental. Ao aplaudirem esta chavice e violação da democracia com direito a momento "cum in your face", estão a dar carta branca a que tal se volte a passar no futuro.

10. Sim, Sócrates é estúpido o suficiente para fazer isto. Como eu disse, está às claras o ódio dele e tentativa anterior de condicionar a estação (negócio PT - Media Capital). Foi estúpido na licenciatura, nos contentores de Alcântara, no Aeroporto, no Cova da Beira, nas auto-estradas, no troço da margem Norte do Tejo do TGV. E se algumas destas coisas não parecem relacionadas com Sócrates, à primeira vista (o traçado do TGV está, penso eu, a cargo da RAVE), saibam que (e nunca como com este governo) os negócios passaram tanto por S. Bento. Aliás, tudo o que é relevante (privado ou não) passa por lá;

11. Explicit enough?

Pedro Francisco said...

Ok. Nada a apontar do ponto de vista lógico e racional.

Mas não conseguia pegar em qualquer notícia da TVI sobre o Freeport e dar-lhe muita atenção.

É como eu a chatear pessoal para instalar Linux. Não posso estar realmente à espera que, por lhes foder o juízo, eles instalem. É minha intenção apenas chatear o juízo e dar conhecimento de alternativas. Mas lá por ser chato não quer dizer que alguém me vá dar muita atenção.

Acho que a TVI não estava a fazer o seu trabalho completo. Talvez tenha sido útil para a SIC fazer a filtragem por nós -- nunca tinha pensado nisso dessa maneira -- mas não me deixava de deixar um pouco maldisposto como quem é despejado comida pouco preparada/cuidada/refinada feita pelo cozinheiro primo do Sócrates.

Mas volto a repetir: «Nada a apontar do ponto de vista lógico e racional.»

Sintra said...

K.
Mudassem o nome do jornal da 6ª para "opiniões da manela".
O facto de ter nome de jornal era oprimente.