2009-01-21

Assim não dá!

Hoje vou parecer materialista, ou, pelo menos, um sacana de um capitalista. Ás tantas, até é verdade.

A questão é esta: nós andamos aqui, a aturar os devaneios dos professores e a matarmo-nos aos poucos (e, às vezes, aos muitos) a estudar e a cumpriir prazos, não por direito mas por privilégio. Nós pagamos mais de €900 por ano para andarmos nesta vida, caraças, temos, pelo menos, o direito à possibilidade de completarmos um curso. Ora, julgo que é do conhecimento geral que não vamos a lado nenhum sem estudo. Estudemos, portanto.

É, igualmente, do conhecimento geral que certos professores vão tão à frente dos demais mortais (sarcasmo sarcasmo) que só aceitam como certo o conteúdo que eles ensinam, como eles ensinam, conforme vem nos famigerados e erroneamente chamados "acetatos" (erroneamente porque acetaros são ou folhas de plástico transparente ou iões, Saurnil).

Ora eu tenho um exame amanhã. Perguntais-me por que aio não estou eu a estudar? Bem, porque os paspalhos senhores do IEETA estão a coçá-los extremamente ocupados e não lhes apetece não conseguem manter o servidor a funcionar. Por isso é que não consigo saacr os sempre disponíveis acetatos.

Agora vem a parte em que falo candidamente. É agora que se recomenda que se mandem as crianças com menos de 15 anos (ou mais de 65, para esse efeito) para a cama.

Mas que caralho é isto? Eu estou a pagar pelo direito de ler a merda dos acetatos! Exijo que mos dêem (de um maneira ou de outra. Tanto se me dá que mos deixem sacar da net ou que mandem a minha casa uma modelo de lingerie Sueca em topless com os acetatos numa pen. DE 16 GB. Que fica para mim) ou que, se é para prestarem serviços ocasionais e de qualidade dúbia (e aqui podia incluir-se tanta coisa que ia ser preciso um servidor do IEETA inteiro só para armazenar as queixinhas) não me levem coiro e cabelo. Isto, simplesmente, não se admite. Nos países ditos "do terceiro mundo" (não julguem que esta treta de terra, lá porque tem, nalguns sítios, água potável, comida e campos de golfe, não é um pardieiro do terceiro mundo) isto não acontece. Eu até me pergunto por que raio é que há alunos estrangeiros que, ao abrigo do programa Erasmus, vêm para cá. Também tenho alguma pena deles.

A propósito, n´s não conhecemos alguém que trabalha no IEETA? O que é que se passa por lá?

Pax vobiscum atque vale.

8 comments:

Sintra said...

Compreensível, a tua indignidade, claro.
Enfim, já sabes que por cá, há falhas, incompetência, etc.
Por outro lado não há atentados

Sintra said...

e outras merdas fdds.

lol double post

Lúcia said...

Aparentemente...chuva na instalação eléctrica...onde aquilo chegou...

Pedro Francisco said...

Eu não confio nos servidores da UA para se aguentarem em altura de exames. Se for página "aberta", i.e., sem login, usa

wget -mknp URL

para sacar a página toda.

Para o elearning, o pessoal costuma usar o Down Them All, eu normalmente saco um de cada vez.

ArabianShark said...

Indignidade não, Sintra, indignação. A minha dignidade mantém-se (nunca foi é lá muita, mas olha...).

Sintra said...

rofl bem visto

Ivo da Veiga said...
This comment has been removed by the author.
Claymore said...

Yep, segundo o que o Marco me disse, falhas de energia são fudidas....

Depois trolhas + cerveja - trabalho de jeito = (merda da grossa || fuderam a instalação electrica toda)