2008-04-20

Eles perseguem-me...

Pergunta retórica: Por que não vou ao cinema em Viseu?

Resposta: Escolha múltipla!

A) Porque, se a pergunta é retórica, não tem resposta.
B) Por causa da saloiada dos arredores (e, na verdade, de dentro da cidade), que não tem melhor que fazer senão ir estragar o filme aos outros.
C) Na verdade, eu até vou ao cinema em Viseu.

Acabou o tempo. A resposta certa é "D) Todas as anteriores."

OK, pronto, isto é um bocado insalubre. Finjam que a resposta certa é (só) a B.

Por isso é que eu vou ao cinema em Aveiro, para fugir à saloiada. E funciona? Isso é que era bom...!

Faz amanhã oito dias, por ocasião do aniversário da Carminda (para quem não a conhece, é a namorada do katanas), fomos ver o "The Mist". Podia ser eu a falar-vos do comportamento tumultuoso dos demais membros da audiência, mas fale antes o meu testemunho (isto já não está a sair bem... é da hora) da reacção de uma jovem ao intervalo. A menina (não me parece que fosse senhora, já que, diga-se em favor do movimento feminista, um homem passa a ser senhor a partir do momento em que é mais alto que a menina da recepção ou paga com cartão multibanco; uma mulher pode morrer sem ser senhora, se se não casar) saiu possessa da sala, passou à frente de toda a gente na fila para o bar, à frente da qual estava yours truly (na verdade, ao ver o semblante de cólera e o passo determinado, todos preferimos afastar-nos, à cautela), para descompor a menina que estava a atender ao balcão (e que, além de ser bem bonita, não tinha culpa nenhuma do que se estava a passar), porque a maltosa à beira dela não se calava e não parava de atirar pipocas de um lado para o outro. Digo-vos que, se não concordo com a forma com que fez o que fez, não duvido dos motivos dela. A menina (lá está, "menina") do bar ainda quis confirmar comigo que não se tratava só de uma pedante desmiolada que queria fazer peixeirada pela atenção (e não, não era), e pediu a um colega que fosse pedir aos barulhentos que se acalmassem. Quando o filme retomou, pela primeira vez, vi alguém da gerência entrar na sala para mandar um espectador calar-se. Épico.

Hoje, mesmo antes do filme começar, tive um pressentimento de que a cena se ia repetir. Atrás de mim estavam três indivíduos (não os vou chamar de "pessoas", e bem que me apeteceu, a página tantas, dividi-los, mas não arranjo melhor nomenclatura) cuja conversa fez-me comentar cá por dentro, "Canalha... 'tamos tramados!". A ajuizar pela pronúncia deles(as), julgo que o esterótipo que lhes assenta melhor seria "gafanhões(nhoas? nhonas? nhãs? Existe feminino?)". Pouco depois apercebi-me de que não se tratava de canalha, mas de malta com idade para ter juízo. Em suma, mais saloios!!!

Livra, mas eles andem-me (isso mesmo, "andem". Não é "andam". É "andem") a seguir ou quê!? Se eu tivesse vontade de passar o filme todo (uma comédiazinha irreverente, irrelevante e sem um pingo de consequência, mas terrivelmente divertida, IMO) a ouvir, por dá cá aquela palha, "holy fuck", "holy shit", "'tava-se mesmo a ver" e outros que tais sentava-me a um canto e esperava que passasse.

A esta altura já nem me importava de pagar pelo direito de poder mandar esse tipo de gente apanhar ar até que o filme acabasse. Ou, pelo menos, poder explicar-lhe que, quando quiser as opiniões deles, eu mesmo lhas dou e enfiar-lhe uma garrafa (de litro e meio) pela goela abaixo, a ver se continuam com vontade de dizer "ai Jesus!" de cada vez que a câmara muda.

E também era para postar um link ali na secção de links do blog, mas, aparentemente, não tenho permissões para mexer no template. Também, para o que era, deixá-lo estar...

Pax vobiscum atque vale.

4 comments:

Pedro Francisco said...

Já tens privilégios :P

Pedro Francisco said...

Eles andem aí!

Que filme era já agora?

Sintra said...

Realmente, pagar para ir ver um filme e ter uma cambada de putos a fazer barulho só porque é "fixe"...
Mais vale sacar o filme.

ArabianShark said...

Por ordem:

1. Pago pelos privilégios; pago demais pelos acréscimos.

2. St. Trinian's. E, já agora, cenas de pantomina com o Colin Firth quase a beijar o Rupert Everett em "drag" é banal neste género. Se é para gritar "Eww, que nojo!" de cada vez que acontece, fiquem em casa.

3. Indeed...