2016-08-18

Bash no Windows 10: uma boa alternativa a Cygwin e MSYS2?

Por esta altura, quem está no stable track do Windows 10 vai começando a ter a
ultima versão do Windows 10.

Esta versão, build 1607 (usar winver.exe), traz o subsistema de tradução de system calls para Linux (Unix on Windows, rootfs fornecido pela Canonical/Ubuntu).

Assim, passam passa a haver 3 sistemas de correr aplicações Linux em Windows, usando métodos diferentes mas com o mesmo resultado final.

Até o Beta desaparecer, vou considerar isto como uma experiência da Microsoft.

Uma outra nota, o Windows Subsystem for Linux não suporta GUI, os outros dois suportam.
Portanto nem que seja para usar o gitk, é melhor usarem os outros dois (se bem que no caso do gitk em particular, o melhor é mesmo instalar o Git for Windows).

EDIT: correção do plural inexistente, de acordo com o comentário do Arabianshark.

3 comments:

ArabianShark said...

OK, isto é um ponto truculento da gramática que não posso, em boa consciência, levar a mal que não se acerte à primeira, mas:

Uma construção sintática com um verbo no infinitivo e um verbo auxiliar conjugado não deixa de ser uma conjugação (ainda que composta) do verbo deixado no infinitivo e, como tal, permanece sujeita às regras do mesmo. Assim sendo, "passam a haver" é uma forma plural do verbo haver, a qual só pode existir (ha-ha) quando o verbo toma o significado de "ter".

Onde eu quero chegar: É "passa a haver", ainda que haja (note-se como não só eu não disse, como vós (provavelmente (parênteses dentro de parênteses dentro de parêntesis só porque sim)) não diríeis, "hajam") vários objectos.

Exemplificando:

- "O Sintra há de vir a Portugal nas férias." - é o mesmo que dizer "O Sintra tem que vir a Portugal nas férias"; tudo correcto, sobretudo se o Sintra nos fizer uma visita.
- "Há um português em Manitoba." - é o mesmo que dizer "Existe um português em Manitoba"; mais uma vez, tudo bem, desde que ele se agasalhe, que dizem que Manitoba é p'ró fresquinho.
- "Os Pokémons do Pedro hão de estar bem alimentados." - é o mesmo que dizer "Os Pokémons do Pedro têm que estar bem alimentados", e livrem-se de que não sejam, portanto, tudo bem.
- "Há Pokémons em casa do Pedro." - é o mesmo que dizer "Existem Pokémons em casa do Pedro." e, apesar da aparente descrepância entre o número do sujeito e do verbo, tudo bem.
* "Hão Pokémons em casa do Pedro." - Não conheço ninguém que cometesse este erro.
* "Vão haver eleições nos Estados Unidos em Novembro." - está mal! "Haver", neste caso, refere-se a "existir", logo, aplica-se a regra dos dois exemplos anteriores. O verbo auxiliar "ir" deve-se conjugar como "vai". De outra forma. seria o mesmo que...
* "Haverão eleições na América." - Errado pelo mesmo motivo que não "hão" Pokémons em casa do Pedro.
- "Os colaboradores da Corporação Disco Bar haviam sido colegas em Aveiro..." - é o mesmo que dizer que "tínhamos sido colegas", e, aqui, está tudo bem.
- "Tendes havido problemas em compreender os meus exemplos?" - Espero que não, e, como, neste caso, "haver" significa "ter", o verbo auxiliar, curiosamente também "ter", pode conjugar-se numa forma plural, se me dirijir a vários interlocutores.
* "Há-des era uma divindade Grega." - Quase. Escreve-se "Hades".
- "Hás de ser muito feliz." - assim espero. Pelo menos, assim escrevo, porque está certo.
* "Hadem cá vir, hadem..." - por favor, esta só à chapada...!

Helena Henriques said...

Aprendam! Divulguem! Esclareçam!
O malfadado acordo ortográfico não se atreveu a mexer nisto!

Pedro Francisco said...

Obrigado Arabian :)