2012-06-30

Dos aniversários

Em tom de resposta ao post anterior do ArabianShark, venho por este meio partilhar convosco o meu algoritmo para aniversários.
  • pré-2004: a minha mãe lembrava-me deles
  • 2004-2008: achei que estava na altura de ter responsabilidade de me lembrar dos aniversários das pessoas, visto ser de bom tom e sinal de amizade; compilei uma base de dados usando o programa MiniReminder com um total de 111 entradas; houve problemas quando comecei a usar Linux mas tentei gerir mais ou menos a base de dados de vária maneiras.
  • desde 2008: é _extremamente_ fácil saber o aniversário de alguém. Basta ir ao Facebook. Dar o os Parabéns no dia de aniversário é considerado de bom tom. Ter três páginas no Facebook de grandes amigos -- ou não assim tanto -- a dar os Parabéns é bonito nos primeiros anos. Depois começa a cansar.
No primeiro ano que tal aconteceu respondi pessoalmente a 50% dos Parabéns, depois cheguei à conclusão que na sua maior parte eu não tinha nada pessoal para dizer em resposta. E corri os restantes 50% ao "like", mesmo quem eventualmente mereceria uma resposta mais pessoal.

No ano seguinte escondi a data de aniversário umas semanas antes do aniversário e fiquei mais satisfeito tanto com o número mais reduzido de pessoas que me deram os Parabéns como pelo facto de o facto de mos terem dado ter significado algo para mim.

É claro que, apesar disso, esta pequena experiência serviu para demonstrar uma coisa. Dar os Parabéns é overrated. Gosto que se lembrem -- óbvio -- mas isso não quer dizer nada; gostaria de lembrar-me para sempre do momento em que, ao perguntar a uma pessoa quando é que eu fazia anos, a sucessão de expressões faciais foi:
  1. ponto de interrogação
  2. esforço enorme de concentração
  3. ajuda com pistas dadas por mim
  4. acertar no dia ao lado que, por sinal, era uma dia que não existia no mês em questão.
C'est la vie. Não foi por isso que a pessoa em questão ao não se lembrar do meu aniversário me de deixou chateado. Não havia a necessidade de provar nada lembrando-se do meu aniversário.

O que é verdade é que, desde que o Facebook tornou fácil ás pessoas lembrarem-se dos aniversários, faço questão de, por esta ordem,
  1. tentar dar os Parabéns pessoalmente ou por SMS
  2. tentar dar de forma interativa os Parabéns (i.e., chat)
  3. dar com vários dias de atraso para tentar cumprir um dos pontos anteriores.
O que quer dizer que, não usando a base de dados, eu esqueço-me dos aniversários e tenho um certo orgulho disso. Com o tempo hei-de me ir lembrando. Ou não. Logo se vê :p

Pronto, podem chamar-me hipster :p

2 comments:

Peres said...

Sou suspeito, como sabem, porque é raro eu dizer algo quando um de vós faz anos, por um simples motivo. Não apontei, e não aponto datas de aniversários.

Sei de cor uma meia dúzia deles de família chegada, e chega. Acho que aniversários é uma data para ser lembrada pela família próxima apenas.

O resto é como os 500 sms que algumas pessoas enviam à sua lista de contactos no natal, acho um pouco demais.

Sintra said...

"O Goucha? Bem, hum, ele faz anos no último dia de Setembro, portanto dia 31!"

ya ya eu também me lembro disso acontecer :P
Nunca achei de grande importância dar os parabéns, tanto que me tou a cagar se mos dão a mim ou não. Também nunca apontei os das outras pessoas.
E mesmo agora, muitas vezes não dou os parabéns pelo facebook, tanto porque me tou a cagar ou simplesmente não vejo ali o lembrete de lado a dizer que X ou Y faz anos. Mas se me aperceber que alguém faz anos deixo uma mensagem.